18 de febrero del 2001
Va al Ejemplar actual
PNUMAPNUD
Edición Impresa
MEDIOAMBIENTE Y DESARROLLO
 
Inter Press Service
Buscar Archivo de ejemplares Audio
 
Home Page
Ejemplar actual
Reportajes
  Análisis
  Grandes Plumas
  Acentos
  Entrevista y P&R
  Ecobreves
  ¿Lo sabías?
  Tú puedes
  Libros
  Galería
Ediciones especiales
Gente de Tierramérica
  ¿Quiénes somos?
Geojuvenil
Espacio de debate hecho por jóvenes y para Jóvenes
Geojuvenil
 
Cambio Climático
Proyecto de soporte a negociación ambiental

Cambio Climático

  Inter Press Service
Principal fuente de información
sobre temas globales de seguridad humana
  PNUD
Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo
  PNUMA
Programa de las Naciones Unidas para el Medio Ambiente

 
Accents

Línguas indígenas agonizam

Por Redação/Terramérica

Mais de 2500 línguas indígenas que contêm informação vital sobre a natureza correm o risco de se extinguirem imediatamente, alerta o Pnuma

Nairóbi - Aproximadamente 2500 línguas indígenas estão em perigo de extinção imediata, enquanto a diversidade de cultivos comuns, como a cenoura e o aspargo, diminuiu 90% em um século, alertam pesquisas divulgadas pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Pnuma. Das quase sete mil línguas existentes no planeta, entre quatro mil e cinco mil estão classificadas como indígenas, segundo estudos de Darrell Addison Posey, professor da Universidade de Oxford e premiado com o Global 500, concedido pelas Nações Unidas.

O maior número de idiomas é falado em Papua Nova Guiné, onde se distinguem 847 línguas diferentes. A seguir vêm Indonésia, com 655, Nigéria, 376, Índia, 309, Austrália, 261, México, 230, Camarões, 201, Brasil, 185 e Zaire, com 158. As línguas mais ameaçadas são as faladas por menos de mil habitantes. Mais de mil idiomas são falados por entre 101 e mil pessoas. Outros 553 são falados por apenas cem pessoas ou menos. Segundo o estudo, 231 línguas já morreram. Alguns observadores calculam que nos próximos cem anos 90% dos idiomas do mundo terão se extinguido ou estarão por extinguir-se. A perda de uma língua e de seu contexto cultural representa a queima de um livro de consulta único do mundo natural, segundo o Pnuma.

Os segredos da natureza, guardados em canções, histórias, arte e artesanatos dos povos indígenas poderiam perder-se para sempre devido à crescente globalização, advertiu Klaus Toepfer, diretor-executivo do Pnuma, com sede no Quênia. "A libertação dos mercados em todo o mundo pode ser a chave para o crescimento econômico tanto nos países ricos quanto nos pobres, mas isto não deve acontecer às custas das milhares de culturas indígenas e suas tradições", disse Toepfer, durante recente reunião do conselho de administração do órgão que preside. O relatório do professor Addison Posey também informa sobre a perda de diversidade nos cultivos, devido à invasão da civilização ocidental e seus meios agrícolas.

Em 1903, conhecia-se 13 variedades de aspargos. Em 1983, restava somente uma, o que representa uma redução de 97,8%. Também em 1903 havia 287 variedade de cenouras, mas este número caiu para 21, redução de 92,7%. Foram catalogadas quase 500 variedades de alface, no começo do século passado, mas, agora, restam apenas 36. A uniformidade genética põe em risco os cultivos em nível global e novas fontes de medicamentos, por exemplo, poderiam perder-se também como resultado da extinção dos idiomas, das culturas e das tradições indígenas. "Se estas culturas desaparecem, elas e sua íntima relação com a natureza se perderão para sempre. Devemos fazer todo o possível para proteger estes povos. Se desaparecem, o mundo será um lugar mais pobre", afirmou Toepfer.





 

Copyright © 2001 Tierramérica. Todos los Derechos Reservados

 

Meninas índias do México.
  Meninas índias do México. Crédito: Claudio Contreras

Enlaces Externos


Site do Pnuma

Relatório sobre línguas indígenas

Tierramérica no se responsabiliza por el contenido de los enlaces externos