Acentos
PNUMAPNUD
Edición Impresa
MEDIOAMBIENTE Y DESARROLLO
 
Inter Press Service
Buscar Archivo de ejemplares Audio
 
  Home Page
  Ejemplar actual
  Reportajes
  Análisis
  Acentos
  Ecobreves
  Libros
  Galería
  Ediciones especiales
  Gente de Tierramérica
                Grandes
              Plumas
   Diálogos
 
Protocolo de Kyoto
 
Especial de Mesoamérica
 
Especial de Agua de Tierramérica
  ¿Quiénes somos?
 
Galería de fotos
  Inter Press Service
Principal fuente de información
sobre temas globales de seguridad humana
  PNUD
Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo
  PNUMA
Programa de las Naciones Unidas para el Medio Ambiente
 
Acentos


Um Protocolo de Kyoto com ou sem Bush

Por Danielle Knight*

A bola está agora nas mãos da Rússia e do Japão: a assinatura desses países garantiria os 55% necessários para a ratificação do tratado.

WASHINGTON - Os promotores do Protocolo de Kyoto sobre Mudança Climática apostam em conseguir o apoio do Japão e da Rússia, depois da negativa do presidente norte-americano, George W. Bush, de impulsionar sua ratificação legislativa. O objetivo da União Européia (EU) é promover o protocolo com ou sem os Estados Unidos, confirmou o ministro de Energia e Meio Ambiente da Dinamarca, Svend Auken. “Uma das principais tarefas que temos pela frente é incorporar o Japão”, afirmou Auken, ao participar, no dia 14 de junho, de uma reunião com autoridades do Banco Mundial, em Washington.

O Protocolo de Kyoto obriga os países industrializados a reduzir a emissão de gases que causam o aquecimento do planeta em pelo menos 5% abaixo dos níveis de 1990. Os grupos ambientalistas receberam com agrado as declarações do ministro dinamarquês. “Colocar o futuro do clima mundial nas mãos do presidente Bush é um negócio extremamente arriscado para ser considerado”, disse a diretora de campanha sobre mudança climática do Fundo Mundial para a Vida Silvestre, Jennifer Morgan. O Protocolo de Kyoto “não carece de sentido sem os Estados Unidos, pois trata-se apenas do primeiro passo”, afirmou o primeiro-ministro da Suécia, Goran Persson, depois da reunião entre Bush e os líderes da UE, no dia 14. “Temos que seguir adiante, além de Kyoto. Se vacilarmos neste momento em relação ao protocolo, voltaremos ao início uma e outra vez”, acrescentou Persson.

Os Estados Unidos, que rechaçam o caráter obrigatório do protocolo, respondem por 25% da emissão mundial de gases que provocam o efeito estufa. A maioria dos cientistas coincide em afirmar que gases como o dióxido de carbono, metano e outros, capturam o calor dos raios solares e produzem um “efeito estufa”, que está distorcendo o clima do planeta. A atenção européia volta-se para o Japão e a Rússia, cuja participação é considerada essencial. O Japão manifestou sua intenção de ratificar o tratado, enquanto a Rússia diz que o está considerando. Entretanto, autoridades e ambientalistas assinalaram que, com os Estados Unidos fora do acordo, sempre existe a possibilidade de Tóquio e Moscou tentarem acomodar o tratado para conseguir um consenso com Washington.

Para que o protocolo se converta em lei internacional deve ser ratificado por 55 países-partes da Convenção Marco sobre Mudança Climática que totalizem, pelo menos, 55% das emissões de dióxido de carbono registradas em 1990. Se a Rússia ratificá-lo, como farão Estônia, Lituânia, Noruega e Suíça, os 15 países da UE e muitos países em desenvolvimento, se chegaria a 49,7%. Com a assinatura do Japão se atingiria 58,25% e o tratado entraria em vigor. Bush qualificou o tratado de “carente de solidez científica”, e afirmou que os Estados Unidos farão novos estudos, os quais são vistos pelos ambientalistas como uma tentativa de bloquear o protocolo até que possa ser adaptado aos interesses da indústria norte-americana.

Isso ainda pode acontecer. A pergunta mais importante, segundo Jennifer Morgan, é se o governo de Bush permitirá que o acordo seja ratificado ou se criará obstáculos para todas as tentativas. Os sinais da Europa não são muito conciliadores com Washington. A União Européia comprometeu-se a terminar o processo de ratificação em 2002. O presidente da Comissão Européia, órgão máximo da UE, Romano Prodi, disse que cada nação do grupo ratificará o tratado e assegurou que “o processo começará logo”. Autoridades da UE negaram que as conversações estivessem suspensas, como haviam sugerido os Estados Unidos, e acrescentaram que o tratado estará pronto para a próxima conferência das partes, que acontecerá entre 16 e 27 de julho, na cidade alemã de Bonn.

Entretanto, mesmo com a aprovação do tratado, sua aplicação representaria todo um desafio, considerando que 40% do mundo industrializado não o aplicaria, alertou o ministro Auken. Bush afirma que o protocolo prejudicaria a economia de seu país, com a obrigação de reduzir o uso de combustíveis fósseis, enquanto não estabelece limites semelhantes para países em desenvolvimento, como China e Índia. Auken respondeu que a experiência dinamarquesa demonstrou ser possível preservar a economia enquanto se reduz a emissão de gases. Vários programas do governo dinamarquês estimularam o investimento e a pesquisa sobre energia renovável nos últimos anos. A Dinamarca tornou-se menos dependente dos combustíveis fósseis, em sua maioria importados, e criou cerca de 15 mil empregos na indústria da energia eólica. A energia produzida por fontes renováveis na Dinamarca aumentou de 4% do total, em 1993, para 16% atualmente, acrescentou o ministro.

Bush afirma que a China, com sua grande população e suas enormes reservas de carvão, superaria os Estados Unidos nos primeiros anos deste século como principal fonte de gases que causam o efeito estufa. Entretanto, dados compilados pelo Departamento de Energia dos EUA indicam que caiu a produção anual de dióxido de carbono na China nos últimos quatro anos de crescimento econômico, enquanto nos Estados Unidos aumentou. A China lançou em 1996 uma campanha para modernizar seus sistemas industriais de combustão a carvão, a principal fonte do gás carbono. A indústria chinesa emite cerca de 715 milhões de toneladas de dióxido de carbono por ano, mas através deste plano chegará a 181 milhões de toneladas.

* A autora é correspondente da IPS

De nossos arquivos:


Copyright © 2001 Tierramérica. Todos los Derechos Reservados
 

CRÉDITO: Photo Stock
 
CRÉDITO: Photo Stock

Enlaces Externos

Mapa da emissão de gases que causam o efeito estufa

Efeito estufa e mudança climática na Unep.net

Convención sobre Cambio Climático

Site oficial do Protocolo de Kyoto

Tierramérica no se responsabiliza por el contenido de los enlaces externos