Acentos
PNUMAPNUD
Edición Impresa
MEDIOAMBIENTE Y DESARROLLO
 
Inter Press Service
Buscar Archivo de ejemplares Audio
 
  Home Page
  Ejemplar actual
  Reportajes
  Análisis
  Acentos
  Ecobreves
  Libros
  Galería
  Ediciones especiales
  Gente de Tierramérica
                Grandes
              Plumas
   Diálogos
 
Protocolo de Kyoto
 
Especial de Mesoamérica
 
Especial de Agua de Tierramérica
  ¿Quiénes somos?
 
Galería de fotos
  Inter Press Service
Principal fuente de información
sobre temas globales de seguridad humana
  PNUD
Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo
  PNUMA
Programa de las Naciones Unidas para el Medio Ambiente
 
 


Os animais de estimação também são vítimas

Por Redação/Terramérica*

NOVA YORK.- Dezenas de animais, incluindo os de estimação e os cães das equipes de resgate, também foram vítimas dos atentados registrados nesta cidade no dia 11 de setembro. Para protegê-los, grupos especializados se mobilizaram. Os ativistas pelos direitos dos animais reconhecem que este trabalho pode ser considerado não prioritário diante das cerca de cinco mil pessoas que teriam morrido, mas não desanimam em sua tentativa de salvar gatos e cães cujos donos morreram ou tiveram de abandoná-los ao serem desalojados de suas casas. “Para a opinião pública dos Estados Unidos, a saúde e o bem-estar dos animais é importante, mas é claro que quando há tantas pessoas desaparecidas a prioridade é seu resgate”, disse ao Terramérica Jennifer Ferguson, porta-voz do International Fund for Animal Welfare (IFAW).

A organização, que resgata inúmeras espécies ao redor do mundo quando acontecem catástrofes naturais ou ameaças provocadas pelos humanos, disse estar pronta para entrar na “zona zero”. Entretanto, por enquanto, não foi necessário. As autoridades disseram que havia excesso de voluntários e de recursos e por isso as tarefas de resgate de animais estão nas mãos de um único grupo, a Sociedade Americana para a Prevenção da Crueldade contra os Animais (ASPCA). No dia 13, a organização entrou na zona junto com 35 proprietários de animais. Os animais resgatados foram encontrados relativamente bem, sendo necessário apenas ministrar algum tratamento para a inalação de fumaça, explicou Karen Colangelo, porta-voz da ASPCA.

Ainda faltam muitos animais para serem recuperados. Os veterinários afirmam que os animais podem viver sete dias sem alimento nem água, por isso a preocupação vai aumentando conforme passam os dias. Depois dos atentados, os ativistas colocaram à disposição do público um número de telefone gratuito e um endereço de e-mail para receber chamadas e doações para animais de estimação que ainda poderiam estar na zona do acidente. Os ativistas também proporcionaram ajuda para os cães que procuram vítimas entre os escombros, através da doação de alimentos, limpadores de olhos e ouvidos, e calçados especiais para que os animais não se machuquem ao percorrerem os escombros.




Copyright © 2001 Tierramérica. Todos los Derechos Reservados
 

 

Enlaces Externos

Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA)

Comitê de Nova York para Saúde e Segurança do Trabalho

Rede de Informações sobre Danos Químicos

Agência Federal de Manejo de Emergências (EUA)

Tierramérica no se responsabiliza por el contenido de los enlaces externos