Acentos
PNUMAPNUD
Edición Impresa
MEDIOAMBIENTE Y DESARROLLO
 
Inter Press Service
Buscar Archivo de ejemplares Audio
 
  Home Page
  Ejemplar actual
  Reportajes
  Análisis
  Acentos
  Ecobreves
  Libros
  Galería
  Ediciones especiales
  Gente de Tierramérica
                Grandes
              Plumas
   Diálogos
 
Protocolo de Kyoto
 
Especial de Mesoamérica
 
Especial de Agua de Tierramérica
  ¿Quiénes somos?
 
Galería de fotos
  Inter Press Service
Principal fuente de información
sobre temas globales de seguridad humana
  PNUD
Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo
  PNUMA
Programa de las Naciones Unidas para el Medio Ambiente
 
Acentos


A energia eólica ganha terreno no Brasil

Por Mario Osava*

Em meio a uma crise no abastecimento de energia elétrica, o poder do vento torna-se cada dia mais atraente. O plano do governo brasileiro objetiva conseguir mais de mil megawatts/hora em 2003.

RIO DE JANEIRO.- A energia eólica anda de vento em popa no Brasil, devido a um déficit de eletricidade que, desde junho, obriga 70% da população a reduzir seu consumo. O Programa Emergencial de Energia Eólica (Proeólica), aprovado pelo governo em julho, objetiva alcançar, até dezembro de 2003, uma capacidade de geração de 1050 megawatts/hora, 50 vezes a potência atual dessa fonte de eletricidade. Esta meta está determinada pela garantia de compra de energia eólica por parte da empresa estatal Eletrobras, e suas subsidiárias, durante 15 anos, a um preço mínimo de US$ 60 o megawatt. A isso, acrescenta-se um incentivo para favorecer os projetos que começarem a operar rapidamente.

A Proeólica cria um mercado atraente para empresas nacionais e estrangeiras, de maneira que a meta seguramente será superada, disse ao Terramérica o coordenador do Centro Brasileiro de Energia Eólica (CBEE), Everaldo Feitosa. A geração potencial dos ventos brasileiros é, segundo estimativa preliminar, de 143 mil megawatts/hora, afirma Laura Porto, engenheira e coordenadora geral da Área de Energia Renovável do Ministério de Minas e Energia. Trata-se do dobro da capacidade instalada do país, que se baseia, sobretudo, em centrais hidrelétricas.

A energia eólica não é factível economicamente em todas as áreas, mas parece possível em cerca de 20% delas, segundo Laura, que, inclusive, assegura que o Brasil “poderá exportar energia”. Uma das áreas mais promissoras é o Nordeste, a região de menores recursos hídricos, mas mais favorecida pelos ventos. Segundo Everaldo Feitosa, apenas o Nordeste proporcionará uma “capacidade efetiva” de aproximadamente 2100 megawatts nos próximos quatro ou cinco anos. O custo da energia eólica no Brasil ainda é cerca de 70% superior ao da gerada por hidrelétrica. No entanto, a tendência é de redução nesse preço, segundo os especialistas.

Por outro lado, os custos da energia hidrelétrica tendem a aumentar, especialmente em termos ambientais, devido à inundação de extensas áreas de florestas ou agrícolas, necessária para a criação das represas. Além de a transmissão ser cara, pois os rios que podem ser utilizados estão longe dos grandes centros urbanos, segundo Laura. Nos terrenos tecnológico e legislativo, a energia eólica também ganha terreno. O Brasil já pode produzir turbinas e a indústria se expande: a companhia alemã Wobben inaugurou, no início de setembro, sua segunda fábrica de turbinas no país.

O Brasil conta, ainda, com “uma das melhores (legislações) do mundo”, o que assegura a factibilidade econômica “das melhores jazidas”, como Feitosa chama as áreas de bons ventos. Atualmente, o governo tenta aumentar a importação de eletricidade da Argentina, Uruguai e Venezuela, e compra gás natural boliviano e argentino para alimentar novas centrais termoelétricas e superar a crise energética em dois ou três anos. Entretanto, parece ter chegado a hora definitiva para a diversificação energética.

* O autor é correspondente da IPS.


Copyright © 2001 Tierramérica. Todos los Derechos Reservados
 

 

Enlaces Externos

Centro Brasileiro de Energia Eólica

Wobben

Ministério de Minas e Energia do Brasil

Tierramérica no se responsabiliza por el contenido de los enlaces externos