Diálogos
PNUMAPNUD
Edición Impresa
MEDIOAMBIENTE Y DESARROLLO
 
Inter Press Service
Buscar Archivo de ejemplares Audio
 
  Home Page
  Ejemplar actual
  Reportajes
  Análisis
  Acentos
  Ecobreves
  Libros
  Galería
  Ediciones especiales
  Gente de Tierramérica
                Grandes
              Plumas
   Diálogos
 
Protocolo de Kyoto
 
Especial de Mesoamérica
 
Especial de Agua de Tierramérica
  ¿Quiénes somos?
 
Galería de fotos
  Inter Press Service
Principal fuente de información
sobre temas globales de seguridad humana
  PNUD
Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo
  PNUMA
Programa de las Naciones Unidas para el Medio Ambiente
 
Diálogos


“Devemos ser impacientes”

Por Néfer Muñoz*

É necessário mudar os padrões de conduta e consumo para evitar um desastre no futuro, afirma o presidente do Conselho da Terra, promotor da “Carta da Terra”, uma declaração universal dos direitos ambientais.

SAN JOSÉ.- Frans van Haren, de 56 anos, é um diplomata holandês de carreira que se confessa economista por ofício e ambientalista por convicção. Em julho deste ano, Van Haren assumiu o cargo de presidente e diretor-executivo do Conselho da Terra, a ONG internacional criada depois da Cúpula do Rio, em 1992, estabelecida na Costa Rica, para impulsionar o desenvolvimento sustentável no planeta.

Van Haren também é o primeiro ombudsman internacional para o meio ambiente e o desenvolvimento sustentável, nomeado após um acordo entre o Conselho da Terra e a União Mundial para a Natureza (UICN). O Terramérica conversou com exclusividade com Van Haren, em seu escritório em Ciudad Colón, nos arredores de San José.

TERRAMÉRICA - Quais são os principais êxitos do Conselho durante seus primeiros dez anos de vida?
HAREN - Tivemos êxito ao criar em cerca de 80 países os Conselhos Nacionais de Desenvolvimento Sustentável, com participação de governos, ONGs e empresas privadas. Outros êxitos são o impulso da Carta da Terra (um projeto de declaração universal dos direitos ambientais), o estabelecimento de um centro de pesquisa acadêmica em torno dos povos indígenas e a criação do ombudsman para o meio ambiente.

- O mundo mudou depois da Cúpula do Rio?
- Embora não o suficiente, o mundo mudou, porque a questão social e ambiental foi colocada na agenda internacional de uma maneira mais firme. A mudança maior aconteceu na consciência das pessoas, embora, até agora, não se tenha traduzido em ações distintas.

- Muitas ONGs são criticadas por receberem grandes somas de dinheiro para poucos resultados. O que acha disso?
- Mudar atitudes leva tempo. O investimento ambiental não é como construir uma ponte ou plantar árvores, casos em que se vê o resultado concreto. Este investimento é muito difícil de medir, os resultados surgem a longo prazo.

- Como caminha a Carta da Terra?
- Continua recebendo um grande apoio em todo o mundo. A Carta da Terra (que se pretende apresentar em 2002) tem duas funções: ser um instrumento educacional e fazer parte das “leis brandas” (soft law), isto é, das novas idéias, normas, conceitos e valores que estão se formando em uma sociedade.

- Quais funções o senhor tem como ombudsman?
- Esta representação iniciou operações em 2001, e é a primeira projeção internacional do conceito de “defensoria”, com grande sucesso em mais de cem países. Aqui acolhemos denúncias ambientas de caráter internacional e emitimos recomendações. Já estamos trabalhando nos primeiros casos.

- Como o senhor vê o mundo em dez anos?
- Temos de ter certo grau de impaciência porque há algumas coisas muito preocupantes. Por exemplo, no aspecto do consumo. Se todos os chineses tiverem o mesmo nível de consumo dos norte-americanos será o fim do mundo. Temos que mudar nossos padrões de produção e de consumo. E isto só podemos fazer quando as pessoas estão conscientes de que é preciso mudar.

Para saber mais sobre o Conselho da Terra, visite o site http://www.ecouncil.ac.cr

* O autor é correspondente da IPS.




Copyright © 2001 Tierramérica. Todos los Derechos Reservados
 

Frans van Haren.
 
Frans van Haren.

Enlaces Externos

Conselho da Terra

Tierramérica no se responsabiliza por el contenido de los enlaces externos