¿Lo Sabías?
PNUMAPNUD
Edición Impresa
MEDIOAMBIENTE Y DESARROLLO
 
Inter Press Service
Buscar Archivo de ejemplares Audio
 
  Home Page
  Ejemplar actual
  Reportajes
  Análisis
  Acentos
  Ecobreves
  Libros
  Galería
  Ediciones especiales
  Gente de Tierramérica
                Grandes
              Plumas
   Diálogos
 
Protocolo de Kyoto
 
Especial de Mesoamérica
 
Especial de Agua de Tierramérica
  ¿Quiénes somos?
 
Galería de fotos
  Inter Press Service
Principal fuente de información
sobre temas globales de seguridad humana
  PNUD
Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo
  PNUMA
Programa de las Naciones Unidas para el Medio Ambiente
 
Você sabia?


Foca do Mediterrâneo

No passado, a foca monge ocupava uma extensa área geográfica com colônias ao longo do mar Mediterrâneo, do Mármara e do Mar Negro e, inclusive, ao sul do Oceano Atlântico. Hoje, esta espécie sobrevive em apenas uma pequena parte de seu hábitat natural.

No passado, a foca monge ocupava uma extensa área geográfica com colônias ao longo do mar Mediterrâneo, do Mármara e do Mar Negro e, inclusive, ao sul do Oceano Atlântico. Hoje, esta espécie sobrevive em apenas uma pequena parte de seu hábitat natural. Durante o século XX a foca monge foi extirpada da França continental e da Córcega, Espanha e Ilhas Baleares, Itália, Sicília e Arquipélago da Toscana, Egito, Israel, Líbano e Túnis.

1
P Qual a aparência da foca do Mediterrâneo?
R O macho adulto tem, em média, 2,4 metros de comprimento e pesa cerca de 315 quilos. As fêmeas são ligeiramente menores, pesando perto de 300 quilos. Os adultos geralmente são da cor café ou cinza nas costas e mais claros no ventre, com uma mancha branca na parte baixa do ventre. Os machos mais velhos tendem ao negro. Os filhotes nascem com mancha branca ou amarela na barriga.

2
P Qual o tamanho da população dessa espécie?
R Hoje em dia existem somente de 300 a 500 indivíduos. Estes animais podem viver por 20 ou 30 anos no meio selvagem.

3
P Continuam se reproduzindo em estado selvagem?
R Devido à exclusão de seu hábitat provocada pelo abuso do homem, na atualidade as fêmeas têm suas crias apenas em covas, em áreas remotas e relativamente tranqüilas. Acredita-se que os machos e as fêmeas cheguem à maturidade com a idade de quatro anos. As crias nascem ao longo de quase todo o ano, embora o índice maior de nascimento ocorra nos meses de setembro e outubro. Os filhotes podem nadar e mergulhar com duas semanas de idade, e são desmamados entre 16 e 17 semanas.

4
P Trata-se de uma espécie protegida?
R A espécie está registra em perigo crítico de extinção pela União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (UICN) e no Apêndice I da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Fauna e Flora (CITES).

5
P Quais as ameaças a essa foca?
R Elas estão ameaçadas pela matança deliberada (os pescadores ainda consideram essa espécie uma peste e um competidor por recursos cada vez mais escassos); a captura fortuita por equipamentos de pesca; a redução da disponibilidade de alimentos; a destruição do hábitat e a poluição. Outras ameaças à espécie incluem doenças e algas venenosas. Durante o verão de 1997, dois terços da maior população de focas monge do Mediterrâneo desapareceram em apenas dois meses na Costa das Focas no Saara Ocidental. Como estas focas monge do Mediterráneo são sensíveis ao distúrbio produzido pelo homem, o contínuo processo de desenvolvimento em seu hábitat tem um impacto significativo na espécie, por si só fragmentada e em declínio. Os filhotes também são susceptíveis às inclemências do tempo nas covas onde nascem, e podem ser levados pelas águas ou morrerem afogados durante as tempestades. Os programas de filhote em cativeiro foram iniciados e abandonados, e novamente se levanta polêmica sobre este assunto.

Fonte: International Fund for Animal Welfare, IFAW, www.ifaw.org/.




Copyright © 2001 Tierramérica. Todos los Derechos Reservados