Va al Ejemplar actual
PNUMAPNUD
Edición Impresa
MEDIOAMBIENTE Y DESARROLLO
 
Inter Press Service
Buscar Archivo de ejemplares Audio
 
  Home Page
  Ejemplar actual
  Reportajes
  Análisis
  Acentos
  Ecobreves
  Libros
  Galería
  Ediciones especiales
  Gente de Tierramérica
                Grandes
              Plumas
   Diálogos
 
Protocolo de Kyoto
 
Especial de Mesoamérica
 
Especial de Agua de Tierramérica
  ¿Quiénes somos?
 
Galería de fotos
  Inter Press Service
Principal fuente de información
sobre temas globales de seguridad humana
  PNUD
Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo
  PNUMA
Programa de las Naciones Unidas para el Medio Ambiente

 
Conecte-se

 

Aves delicadas

Os colibris são conhecidos por vários nomes: pica-flor, beija-flor, kolibri, hummingbird, ou por sua denominação científica trochilidae. Em todos os casos, as palavras descrevem o mesmo: uma maravilha da natureza americana. Quando os primeiros europeus chegaram ao "novo mundo" daqueles tempos, foram surpreendidos pela existência destas aves mínimas. Inicialmente, as confundiram com insetos, assombrados por sua capacidade de vôo e por sua dedicação às flores, de onde tiram seu alimento.

Desde então, os colibris maravilham as pessoas. Aparecem em numerosos selos do mundo, são objetos habituais de quadros e fotografias, e levam muitos a desenharem mecanismos para atraí-los a bebedouros artificiais de néctar. Em países como os Estados Unidos, é proibido tê-los como mascote. A família trochilidae, que como já dissemos está composta exclusivamente por americanos, desde o Alasca até a Terra do Fogo, tem como integrantes cerca de 328 espécies catalogadas.

Na Internet existe abundante informação sobre a biologia dos colibris e como atraí-los para aproveitar sua presença, a maior parte agrupada sob a palavra-chave inglesa: hummingbird. Nos portais podemos ler que o colibri maior pesa 20 gramas e vive na América do Sul, enquanto o menor alcança 2,2 gramas, em Cuba. E que uma das espécies interessantes é a da ilha chilena de Juan Fernández, cujo pica-flor somente habita esse território a 60 quilômetros da costa.

O vôo do colibri é surpreendente. O bater de asas é tão veloz que apenas se intui. Isso lhes permite alcançar grandes velocidades, mas, também, realizar proezas como parar no ar ou retroceder. Toda essa capacidade dos colibris implica um metabolismo acelerado e um grande consumo de energia. Para compensá-lo, tomam água em abundância e se alimentam cerca de 300 vezes ao dia. Segundo um dos sites, para um humano seria como comer 130 quilos de pão e beber 150 litros de água. Por outro lado, trata-se de uma espécie muito valiosa para a natureza. Como nos explica um site brasileiro, os colibris, "minúsculas aves sensíveis", desempenham um papel crucial no processo de polinização das plantas.

Os pica-flores, jóias aladas (em espanhol)
Os colibris, família Trochilidade (em espanhol)
O website dos colibris (em inglês)
Kolibri Homepage (inglês e alemão)
Hummingbirtds.net (em inglês)
Beija-flor também aprende (em português)
Sites sobre colibris (em inglês)
A sociedade dos colibris (em inglês e outros idiomas)
Pica-flor de Juan Fernández (em espanhol)
Colibris: espécies em selos postais (em inglês)
Beija--flor, o pássaro (em português)
Portal das Aves (em português)
Família Trochilidae (em português)
Portal do Animal (em português)

Fluviais

Os rios são sinônimo inequívoco de vida. Seus cursos esculpiram a geografia terrestre, determinaram as características dos ecossistemas e guiaram o estabelecimento de civilizações. Mas, apesar de sua importância, muitos deles estão ameaçados. Quase todos os rios têm características afins. Nascem em uma "fonte" de água, geralmente elevada, de onde começam a percorrer um caminho traçado ao longo do tempo, onde o volume de suas águas pode aumentar com a presença de afluentes.

Os sites da Internet dedicados a explicar a natureza dos rios de um ponto de vista educativo recordam que costumam percorrer planícies, irrigar terras ao seu redor e, depois, desembocar em corpos de água maiores, que podem ser outros rios, lagos ou o mar. Os rios são fonte imprescindível de água doce que permite a vida. A área de influência destes cursos fluviais é chamada de bacia, e sua preservação é prioritária para os promotores da conservação da natureza. Durante toda a história da civilização, os humanos entenderam a importância dos rios, por isso, grandes cidades e culturas inteiras floresceram às suas margens.

Entretanto, estas fontes de água doce também são afetadas por nossa presença no planeta. Os humanos são produtores de poluição e de projetos de desenvolvimento que afetam o destino das vias fluviais. Uma das situações mais conflitivas acontece com as dezenas de milhares de represas capazes, inclusive, de acabar com os rios, fato que provoca grande preocupação. Uma travessia pela Internet revela que grande parte dos recursos de informação são proporcionados por organizações dedicadas à conservação destes cursos de água.

Portal: Rede para a proteção dos rios (em inglês)
Principais rios do mundo (em espanhol)
Thinkquest: ao longo de um rio (em inglês)
Os maiores rios do mundo (em inglês)
BBC: rios em perigo (em inglês)
National Geographic: os rios 2001 (em inglês)
Yahoo!: sites sobre rios (em inglês)
Coalizão Rios Vivos (em inglês, português e espanhol)
Comissão Mundial de Represas (em inglês)
Rios do Brasil (em português)
Ecolinks - Água, Rios e Mares (em português)

Alimento dos deuses

O cacau é um ilustre americano cuja fama é sustentada pelo alto consumo de um produto muito desejado no mundo, o chocolate. Mas muitas pessoas desconhecem que ele tem origem em uma árvore dos trópicos, que produz uma curiosa fruta. Em meados do século XVIII, essa fruta recebeu um nome formal por parte dos botânicos, Theobroma cacao, que em sua primeira palavra carrega uma relação insinuada desde tempos antigos, a de "alimento dos deuses".

Os grandes consumidores do cacau na antigüidade foram os povos da mesoamérica. Olmecas, maias e astecas conheciam os segredos dessa fruta, a usaram como moeda e também a consumiram como bebida. Daí vem o nome "xocolatl". Para os europeus, primeiro foi uma curiosidade e, depois, um produto de grande valor, cobiçado pelos primeiros mercadores do novo mundo e requisitado pelas elites do velho continente. Foi ali que foi misturado com leite e onde foram fabricadas as primeiras barras de chocolate.
A árvore do cacau cresce em zonas de vegetação densa. Os frutos, com extraordinárias cores, nascem em seus galhos e contêm em seu interior sementes ou favas recobertas com um polpa branca e refrescante. No processo de transformação do cacau em matéria-prima do chocolate, essas sementes são secas, torradas e trituradas. Na Internet existem diretórios de sites com informação sobre diversos aspectos relacionados com o cacau, desde como protagonista em um mercado mundial até sua história ou sua assombrosa transformação em chocolate.

Portal: cacau e chocolate (em espanhol)
Organização Internacional do Cacau (em inglês)
Consumo crítico: chocolate e cacau. Características e produtores do Sul (em espanhol)
Bebida dos deuses (em espanhol)
Theobroma cacao: características, composição, etc. (em inglês)
O cacau em texto e fotos (em espanhol)
Exploratorium: o chocolate (em inglês)
O chocolate cresce em uma árvore. Educativo (em inglês)
Links sobre o cacau (em inglês)
Open Directory: Theobroma cacao
A árvore do cacau (em espanhol)
Centro de Pesquisas do Cacau (em português)
Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (CEPLAC) - Cultura do Cacau (em português)
A Região Sul da Bahia e o Cacau (em português)
Doçaria Portuguesa - bolo de cacau (em português)
Theobroma cacao Sterculiaceae - Cacau (em português)
Cacau (em português)
Chocolate orgânico (em português)
Site dos Chocólatras (em português)

 


 

Copyright © 2001 Tierramérica. Todos los Derechos Reservados

 

 

Crédito: Freestockphotos.com
Crédito: Freestockphotos.com

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Um dos desenhos mais antigos da árvore do cacau
Um dos desenhos mais antigos da árvore do cacau