Acentos
PNUMAPNUD
Edición Impresa
MEDIOAMBIENTE Y DESARROLLO
 
Inter Press Service
Buscar Archivo de ejemplares Audio
 
  Home Page
  Ejemplar actual
  Reportajes
  Análisis
  Acentos
  Ecobreves
  Libros
  Galería
  Ediciones especiales
  Gente de Tierramérica
                Grandes
              Plumas
   Diálogos
 
Protocolo de Kyoto
 
Especial de Mesoamérica
 
Especial de Agua de Tierramérica
  ¿Quiénes somos?
 
Galería de fotos
  Inter Press Service
Principal fuente de información
sobre temas globales de seguridad humana
  PNUD
Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo
  PNUMA
Programa de las Naciones Unidas para el Medio Ambiente
 
Acentos


Renasce o marfim vegetal

Por María Isabel García*

No estado natural tem o aspecto do que é: uma noz produzida por uma palmeira. Mas, em mãos de artesãos ou joalheiros, a jarina, apreciada por qualidades como a resistência e a cor, muda de aparência.

BOGOTÁ.- Em uma pequena oficina no centro de Bogotá, um jovem artesão dá o toque final a um conjunto de gargantilha e brincos em prata e jarina, o marfim vegetal que causa furor entre os estilistas de jóias. A jarina é a noz do fruto da palmeira de marfim (Phytelephas seemannii, Phytelephas macrocarpa) explorada desde a época colonial e conhecida como marfim ou mármore vegetal.

Agora, “a jarina renasce e está na moda”, diz ao Terramérica Josué, joalheiro do centro de Bogotá, enquanto lustra um pequeno triângulo colocado em fios de prata. Este conjunto é o primeiro de uma dezena encomendada por uma exclusiva loja do norte da cidade, onde seu preço triplicará apenas ao expô-lo na vitrine.

A palmeira, de cinco metros de altura e tronco pequeno e rasteiro, tem frutos que podem pesar até 12 quilos. Cada fruto, semelhante a uma pinha, contém entre seis e nove sementes recobertas. Durante a maturação - entre seis e 12 meses - a semente endurece, adquire a grossura de 1,5 centímetro e sua cor muda de branco para ocre claro. Resistência e cor são as propriedades que identificam a qualidade desta matéria-prima vegetal, uma das primeiras exploradas na América colonial.

Em 1880, eram exportadas quatro mil toneladas de jarina desde o porto de Tumaco, no Pacífico. Na época, a libra (450 gramas) de semente era cotada a US$ 0,07 no mercado de Nova York. A demanda procedia da indústria de botões, cabos de guarda-chuva, bastões e outros utensílios. Mas o marfim vegetou caiu em desgraça ao ser substituído pelo plástico. “Eu conhecia a jarina, mas em brinquedos e miniaturas decorativas que minha avó trazia de Chiquinquirá”, lembra Josué. Essa cidade, no departamento de Boyacá, é famosa pela Basílica da Virgem e pelos objetos de jarina que seus artesãos trabalham com maestria desde o início do século XX.

Ali, e na vizinha Tinjacá, reside a família Bonilla, três gerações que seguem a tradição do trabalho em jarina desde 1917, quando Horencio Bonilla viajou à região de floresta do Carare e voltou com algumas sementes. “Elas causaram curiosidade porque era marceneiro e viu que podia trabalhar com elas usando as mesmas ferramentas que usava na madeira”, contou ao Terramérica a artesã Carmen Eliza Bonilla, uma das netas de Horencio, que aprendeu o ofício com seu pai. “Meu avô, meu pai, meus tios e irmãos ensinaram cerca de cem artesões a trabalharem a jarina e agora eles montaram suas próprias oficinas”, afirmou.

A jarina também é trabalhada em outras regiões, como na baía Solano, no departamento de Chocó (costa do Pacífico), onde a estatal Artesanatos Colombianos leva adiante um projeto de formação em projetos e produção com jarina, para 30 artesões negros e da etnia emberá. Dali e de outras zonas saem jóias, bandejas e diversos utensílios para a feira anual de artesanato em Bogotá, onde as rodas de negócios abrem canais para a exportação.

* A autora é correspondente da IPS.


Copyright © 2001 Tierramérica. Todos los Derechos Reservados
 

 

Enlaces Externos

Jarina

Tagua nuts

Renasce uma arte tradicional

Jarina - marfim vegetal

Tierramérica no se responsabiliza por el contenido de los enlaces externos