Va al Ejemplar actual
PNUMAPNUD
Edición Impresa
MEDIOAMBIENTE Y DESARROLLO
 
Inter Press Service
Buscar Archivo de ejemplares Audio
 
  Home Page
  Ejemplar actual
  Reportajes
  Análisis
  Acentos
  Ecobreves
  Libros
  Galería
  Ediciones especiales
  Gente de Tierramérica
                Grandes
              Plumas
   Diálogos
 
Protocolo de Kyoto
 
Especial de Mesoamérica
 
Especial de Agua de Tierramérica
  ¿Quiénes somos?
 
Galería de fotos
  Inter Press Service
Principal fuente de información
sobre temas globales de seguridad humana
  PNUD
Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo
  PNUMA
Programa de las Naciones Unidas para el Medio Ambiente

 
Conecte-se

 

Espécies ameaçadas

No planeta Terra existem 11.167 espécies de animais e vegetais em risco de extinção, alerta a nova edição da Lista Vermelha publicada pela União Mundial para a Natureza (UICN), considerada uma ferramenta fundamental para observar o estado da diversidade biológica. A Lista Vermelha das Espécies Ameaçadas 2002 inclui 121 entradas a mais do que em sua edição de 2000.

"Muitas espécies estão diminuindo a níveis populacionais críticos", destaca a entidade num dos comunicados que acompanham o dossiê de informação sobre a lista. Também recorda que "a perda da diversidade biológica é uma das crises mais urgentes do mundo, e a preocupação sobre o estado dos recursos biológicos dos quais depende significativamente a vida humana está aumentando". As espécies contidas na Lista Vermelha estão classificadas segundo seu nível de risco: em perigo crítico, em perigo, ou vulnerável.

A UICN considera que o risco de extinção total é de mil a dez mil vezes maior do que seria naturalmente, sem a intervenção da civilização humana. Destruição de hábitat, superexploração de recursos, contaminação, tráfico ilegal, degradação dos ecossistemas e fenômenos provocados, como a mudança do clima, são fatores que contribuem para a extinção das espécies.

As ameaças à biodiversidade, entendida como a variedade de plantas, animais e microorganismos que habitam o planeta, são fonte de preocupação para a comunidade internacional, o que se reflete na grande quantidade de informação sobre o assunto disponível na Internet.

Essa preocupação também gera acordos entre governos. Um dos mais relevantes é o Convênio sobre a Diversidade Biológica, firmado em 1992. No link Secretaria deste site, informa-se que no planeta haveria 13 milhões de espécies identificadas. Mas estima-se que possam existir muitas mais. A Fundação All Species realiza um projeto que busca identificar todas no prazo de 25 anos. E em seu site pode-se pesquisar mais de 800 mil espécies.

Outra iniciativa que aborda a proteção das espécies é o da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Fauna e Flora Silvestres, conhecida como CITES, que busca controlar o tráfico ilegal de animais e de plantas protegidas.

UICN: Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas (inglês)
Dossiê: A Lista Vermelha 2002 (espanhol, inglês, francês)
UICN: Comissão para a Sobrevivência das Espécies (inglês)
CITES (espanhol)
Instituto dos Recursos Mundiais (inglês, espanhol)
Terramérica: A biodiversidade (espanhol)
Fundação All Species (inglês)
Pnuma: Secretaria do Convênio sobre a Diversidade Biológica
Yahoo! em espanhol: sites sobre espécies em perigo
Links da Internet: espécies ameaçadas (inglês)
BDT - Base de Dados Tropical (português)
WWF-Brasil - espécies ameaçadas (português)

Guerra à malária

A guerra contra a malária, ou paludismo, deu um passo gigantesco após o anúncio da decodificação dos genomas do mais perigoso dos parasitas causadores da doença e do mosquito que serve de seu veículo transmissor. As prestigiosas revistas Science e Nature publicaram, simultaneamente, no início de outubro, os resultados de uma pesquisa internacional que decifrou as seqüências desses genomas, o que permite conhecer uma informação fundamental para o desenvolvimento de mecanismos de controle ou cura da doença.

Os genomas decifrados foram os do mosquito anófeles Anopheles gambiae e os do parasita Plasmodium falciparum, que combinados produzem as versões mais fortes da malária. "Fornece uma oportunidade sem precedentes", disse a Science no editorial de sua edição especial sobre o assunto. A busca de armas para combater a malária tem grande relevância, pois 40% da população do planeta vive em regiões onde essa enfermidade é endêmica.

A Organização Mundial da Saúde (OMS), que tem uma seção em seu site especialmente dedicada à doença, alerta que mais de 300 milhões de pessoas são infectadas a cada ano pela malária, e mais de um milhão morrem, a maioria crianças com menos de cinco anos do mundo em desenvolvimento. Com o passar dos anos, os medicamentos para combater a malária perdem eficácia para enfrentar o parasita.

Também é complexa a busca de mecanismos para prevenir a enfermidade. Durante grande parte do século XX, a estratégia concentrou-se em erradicar o mosquito vetor, mas, apesar dos êxitos alcançados em seu momento em algumas regiões, foi impossível manter o controle sobre esses insetos ao longo do tempo.

A busca de uma vacina também não é fácil. Uma das iniciativas de maior sucesso foi a do médico colombiano Manuel Patarroyo, mas ainda não há uma solução definitiva. Com a nova descoberta, a pesquisa será beneficiada.

Decifrar o genoma representa insumo fundamental à informação sobre as características do vetor e do parasita que permitirão afinar a pontaria na busca de meios para combatê-lo. As dimensões do problema causado pela malária estão refletidas na Internet, onde há abundante informação sobre as características da enfermidade, a forma como é transmitida e os lugares do mundo onde é mais comum. O site Malaria OnLine lembra que é conhecida desde a antigüidade e que no passado também afetou a Europa.

De fato, a palavra tem origem na antiga Roma: malária é "mal aria", em espanhol "ar mau". O tema não é alheio à região das Américas, já que em numerosos países a doença é endêmica. A Organização Pan-Americana de Saúde (PS) oferece em seu site uma grande quantidade de documentos que revisam o impacto da malária, ou paludismo, na região.

Revista Science: O genoma do mosquito anófeles gambiae (inglês)
Revista Nature: especial sobre os genomas da malária (inglês)
OMS - Temas de saúde: Paludismo (espanhol, inglês)
OPS: documentos sobre a malária (espanhol, inglês)
Malaria OnLine (espanhol, inglês, francês)
Terramérica: Patarroyo e a estocada contra a malária (espanhol)
Terramérica: Patarroyo e a estocada contra a malária (português)
Netsaúde/Costa Rica: paludismo, informação básica (espanhol)
Malária: informação geral e fotos (espanhol)
BBC: malária no mundo (inglês)
Yahoo/cobertura especial: descoberta contra la malária (inglês)
Malária Net (português)

O Protocolo de Montreal

Num planeta onde custa chegar-se a um acordo para atuar em favor do meio ambiente, o Protocolo de Montreal poderia converter-se em um convênio emblemático cujo cumprimento ajudaria a resolver um problema dos tempos modernos: a deterioração da camada de ozônio. O Protocolo de Montreal foi subscrito em 1987 e atualmente cerca de 180 nações estão comprometidas com suas metas de redução da produção de gases CFC (clorofluorocarbono), halons e brometo de metilo, cuja presença na atmosfera é considerada a principal causa do estreitamento da camada de ozônio.

Coincidindo com o Dia Mundial da Preservação da Camada de Ozônio, em 16 de setembro, este ano foram divulgadas as conclusões preliminares de uma avaliação científica sobre este problema. Os especialistas disseram que o Protocolo de Montreal está sendo cumprido e que nos próximos anos a camada de ozônio pode recuperar-se, mas também advertiram que será necessário continuar honrando os acordos internacionais para manter essa tendência. O problema começou a ser conhecido da opinião pública no início dos anos 80, e em 1983 foi subscrito o Convênio de Viena, o primeiro instrumento destinado a gerar ações para preservação do ozônio. Nessa época o tema ainda não era prioritário: apenas 20 países participaram.

Com o passar dos anos, o problema foi amplamente divulgado: o estreitamento da camada de ozônio impediria a filtragem adequada dos raios ultravioletas, o que, por sua vez, poderia causar problemas para a vida no planeta. O Protocolo de Montreal entrou em vigor em 1989, quando 29 nações mais a União Européia, produtores de 89% das substâncias nocivas à camada de ozônio, o haviam ratificado. Neste momento, um dos principais temas é a participação dos países em desenvolvimento no cumprimento das metas do Protocolo de Montreal, que objetiva o fim da utilização de produtos nocivos ao ozônio. A meta é conseguir isso até 2010.

Além de uma Secretaria do Ozônio do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), o Protocolo gerou outras instâncias, como um Fundo Multilateral destinado a ajudar os países em desenvolvimento na substituição tecnológica necessária para deixar de usar produtos que prejudicam a camada de ozônio. O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) e o Banco Mundial têm projetos que apontam na mesma direção: o cumprimento do disposto no Protocolo de Montreal.

O Protocolo de Montreal, 1987 (espanhol)
Convênio de Viena, 1985 (espanhol)
Pnuma: Secretaria do Ozônio (espanhol, inglês, francês)
Países-partes dos convênios para proteger a camada de ozônio (espanhol)
Secretaria do Fundo Multilateral para a Aplicação do Tratado de Montreal (inglês)
Pnud: Protocolo de Montreal (inglês)
OMM (Organização Meteorológica Mundial): Boletins do Ozônio (inglês)
Banco Mundial: o Protocolo de Montreal (inglês)
Ozoneaction: informação sobre o estado da camada de ozônio, 2002 (inglês)
Avaliação cientifica sobre a deterioração do ozônio, 2002 (inglês)
Protocolo de Montreal (português)

 


 

Copyright © 2001 Tierramérica. Todos los Derechos Reservados

 

 

 

Hippocampus reidi. Crédito E.G. Lines Jr./Shedd Aquarium. Fuente: UICN
Hippocampus reidi. Credito E.G. Lines Jr./Shedd Aquarium. Fonte: UICN

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anopheles gambiae. Crédito: CDC/James D. Gathany
Anopheles gambiae. CRÉDITO: CDC/James D. Gathany