Reportajes
PNUMAPNUD
Edición Impresa
MEDIOAMBIENTE Y DESARROLLO
 
Inter Press Service
Buscar Archivo de ejemplares Audio
 
  Home Page
  Ejemplar actual
  Reportajes
  Análisis
  Acentos
  Ecobreves
  Libros
  Galería
  Ediciones especiales
  Gente de Tierramérica
                Grandes
              Plumas
   Diálogos
 
Protocolo de Kyoto
 
Especial de Mesoamérica
 
Especial de Agua de Tierramérica
  ¿Quiénes somos?
 
Galería de fotos
  Inter Press Service
Principal fuente de información
sobre temas globales de seguridad humana
  PNUD
Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo
  PNUMA
Programa de las Naciones Unidas para el Medio Ambiente
 
Artigo


Questionadas as virtudes da maconha

Por Gustavo González*

A “erva” pode acalmar dores, controlar náuseas e amenizar o estresse. Na América Latina, apenas uns poucos cientistas e políticos defendem a autorização do seu uso terapêutico.

SANTIAGO.- A maconha é valorizada em países industrializados por suas virtudes terapêuticas, mas, na América Latina, continua proscrita e satanizada como ante-sala de drogas mais pesadas, enquanto alguns poucos cientistas e políticos defendem que seja autorizado seu uso médico. No Brasil e no México, deputados afinam projetos de lei para legalizar com fins medicinais a “erva”, cujo nome científico é Cannabis sativa, mas o governo da Colômbia planeja um referendo para revogar a autorização de seu consumo pessoal em vigor desde os anos 70. Pesquisas desenvolvidas principalmente na Europa e América do Norte indicam a efetividade da maconha para controlar náuseas e dores provocadas por tratamentos contra o câncer e a aids.

O agente químico ativo da maconha é o tetrahidrocannabiono (THC), que se pode ingerir ao fumar ou mascar suas folhas, ou em cápsulas, e também serve para tratar glaucomas e aliviar dores da artrite e esclerose múltipla, além de minimizar o estresse e ser tranquilizante. As cápsulas são fabricadas atualmente nos Estados Unidos sob a marca Marinol. Entretanto, as supostas virtudes da planta são conhecidas há séculos. Em 1545, o rei Felipe II da Espanha ordenou que fossem plantadas fileiras de Cannabis, ou cânhamo, em todo seu império, entusiasmado com os dotes medicinais e alimentícios da planta e suas aplicações na fabricação de papel, cordas e toscas vestimentas para os pobres sem acesso a tecidos de algodão ou linho.

No Brasil, o deputado Fernando Gabeira, do PT, pretende apresentar esta ano um projeto de lei autorizando usos terapêuticos da maconha. No México, o legislador Elías Moreno, do Partido da Revolução Democrática (de esquerda), tem pronto um projeto semelhante e, embora tivesse anunciado que o apresentaria em setembro de 2002, ainda não o fez. Além disso, o partido político de esquerda México Possível, que pela primeira vez participará das eleições legislativas de julho, anunciou que em sua plataforma inclui a despenalização do tráfico e consumo da maconha, como meio de combate aos narcotraficantes, principais beneficiários das políticas restritivas, segundo afirma.

Na Colômbia, a droga foi usada até meados do século XX pelas classes populares para aliviar dores de reumatismo e artrite. Era comum levar aos postos policiais um frasco com álcool para que acrescentassem maconha apreendida e, assim, fabricar um emplasto medicinal. Depois da despenalização do uso de doses pessoais, estendeu-se o costume de fumar maconha com fins analgésicos. A falta de leis sobre uso terapêutico da maconha é um padrão comum na América Latina, bem como a existência de normas antidrogas que privilegiam a repressão ao tráfico e o consumo, inspiradas na doutrina norte-americana de “tolerância zero”, que impede debates públicos sobre o assunto.

O Canadá é o único país americano onde está sendo despenalizado o consumo e autorizado o uso terapêutico, bem como em alguns Estados dos Estados Unidos, apesar da legislação federal contrária sustentada pela Corte Suprema, disse ao Terramérica o psiquiatra Pedro Naveillán, presidente do Instituto Chileno de Saúde Mental. Naveillán defende a despenalização da maconha devido às suas virtudes como medicamento e também porque -segundo afirma - não produz dependência, pois está comprovado que a maioria de seus consumidores a deixam depois de três a quatro anos.

Os fatores que induzem ao consumo de drogas e à repressão são sociais e culturais, e a dependência se desenvolve em indivíduos predispostos a ela, afirma o psiquiatra. Porém, seu colega argentino Oscar Ramírez, da Fundação Gradiva, não concorda. O psiquiatra aceitou que a maconha tem propriedades sedativas e calmantes, porém menores do que as de outros sedativos e ansiolíticos, e advertiu sobre o “papel precursor que a maconha pode ter em relação ao uso de outras drogas”. Algo com que concorda Miguel Ángel Astariz, médico e diretor-geral da Fundação Edusalud, da Argentina. “ A maconha, além de alterar a conduta e ser nociva à saúde, é uma droga que, junto com o álcool, atua como precursora do consumo de outras substâncias mais perigosas”, afirmou.

No Peru, a proibição da maconha não distingue entre seu uso “recreativo” ou terapêutico. Os médicos peruanos Edmundo Hernández e Carlos San Martín reconheceram, em conversa com o Terramérica, que a droga pode atenuar efeitos da quimioterapia e outras dores, mas acrescentaram que há várias substâncias com efeito semelhante. O oftalmologista Moisés Lu, diretor do Instituto Peruano da Visão, admitiu que está comprovada a efetividade da maconha para tratar o glaucoma, mas destacou que “há no mercado gotas (de outros medicamentos) muito efetivas, seguras e fáceis de usar”.

Na Venezuela, desde a promulgação, em 1993, da lei sobre substâncias entorpecentes e psicotrópicos não se recebe solicitações para usar maconha com fins terapêuticos, segundo a farmacêutica Carmen Zambrano, chefe do Departamento de Psicotrópicos da Direção de Drogas e Cosméticos do Ministério da Saúde da Venezuela. Entre a indiferença e a satanização, prossegue na América Latina o debate em torno do uso médico da maconha. No momento, existe apenas uma idéia que gera consenso: passarão muitos anos antes que o consumo da planta seja despenalizado na região.

* O autor é correspondente da IPS. Colaboraram Viviana Alonso/Argentina, Mário Osava/Brasil, Yadira Ferrer/Colômbia, Diego Cevallos/México, Abraham Lama/Peru e Humberto Márquez/Venezuela.




Copyright © 2001 Tierramérica. Todos los Derechos Reservados
 

Cannabis sativa, em estado natural. Nos Estados Unidos já são produzidas cápsulas com seu agente ativo. Crédito: Photo Stock
 
Cannabis sativa, em estado natural. Nos Estados Unidos já são produzidas cápsulas com seu agente ativo. Crédito: Photo Stock

Enlaces Externos

Cannabis sativa: características

Maconha, o medicamento proibido

Instituto Nacional sobre Abuso de Drogas dos Estados Unidos: maconha

Cânhamo.net: maconha medicinal

Tierramérica no se responsabiliza por el contenido de los enlaces externos