Acentos
PNUMAPNUD
Edición Impresa
MEDIOAMBIENTE Y DESARROLLO
 
Inter Press Service
Buscar Archivo de ejemplares Audio
 
  Home Page
  Ejemplar actual
  Reportajes
  Análisis
  Acentos
  Ecobreves
  Libros
  Galería
  Ediciones especiales
  Gente de Tierramérica
                Grandes
              Plumas
   Diálogos
 
Protocolo de Kyoto
 
Especial de Mesoamérica
 
Especial de Agua de Tierramérica
  ¿Quiénes somos?
 
Galería de fotos
  Inter Press Service
Principal fuente de información
sobre temas globales de seguridad humana
  PNUD
Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo
  PNUMA
Programa de las Naciones Unidas para el Medio Ambiente
 
Acentos


Amazônia em alerta por causa de integração viária

Por Abraham Lama*

Teme-se que dois eixos viários anunciados por Brasil e Peru acelerem o desmatamento e o tráfico de espécies.

LIMA.- Os planos de construir dois eixos viários entre Brasil e Peru, que atravessariam as selvas amazônicas peruanas, preocupam os ambientalistas, pois poderiam acelerar o surgimento de ameaças a esse frágil ambiente. O mais espetacular dos oito convênios firmados segunda-feira, em Lima, pelos presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Alejandro Toledo é um projeto de integração física e econômica baseado em três eixos viários, dois dos quais unirão o território amazônico brasileiro à costa peruana no Oceano Pacífico.

Estes convênios foram alcançados através de uma aliança estratégica entre o Peru e o Mercosul (formado por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai), que inclui um acordo de livre comércio. Apesar de compartilharem um fronteira de quase três mil quilômetros, Brasil e Peru até agora viveram de costas um para o outro, separados pelas florestas amazônicas. O comércio entre ambos é relativamente exíguo: US$ 683 milhões em 2002, 72% constituídos por vendas brasileiras. O Brasil busca caminhos menos caros e mais diretos do que a rota através do Cabo Horns para chegar aos mercados asiáticos pelo Pacífico, enquanto ao Peru interessa o mercado de seu vizinho, bem como gerar uma corrente turística para as regiões de Cuzco, Puno e Arequipa.

Em Lima, dois dos eixos viários projetados provocam euforia oficial, opiniões divididas dos empresários e preocupação dos ecologistas. No fim de semana anterior à visita de Lula, sete sindicatos empresariais enviaram uma carta a Toledo expressando sua preocupação pelos problemas que acarretará à frágil estrutura industrial peruana a abertura alfandegária com um país de expansiva energia exportadora. Mas no Fórum Empresarial Brasil-Peru, realizado em Lima por ocasião da visita de Lula, foram destacadas as oportunidades de criar ou ampliar negócios nos dois países, exportar produtos alimentícios, cimento e minerais para regiões brasileiras próximas à fronteira.

Do ponto de vista ecológico, o panorama é menos eufórico.”Sem normas adequadas, essas estradas serão uma catástrofe ambiental, pois na Amazônia não existem condições para neutralizar o impacto negativo de uma irrupção de veículos, empresas depredadoras e uma descontrolada colonização maciça”, comentou ao Terramérica o consultor da Organização das Nações Unidas, Roger Rumrrill. “As estradas vão acelerar o desmatamento selvagem que está ocorrendo nos dois países. Se facilitará a expansão do comércio ilegal de mogno, sementes, animais vivos, orquídeas, etc, que no ano passado beirou os US$ 500 milhões, superior ao movimento do narcotráfico, que foi de pouco mais de US$ 300 milhões”, acrescentou. Eduardo Ponce, ex-embaixador no Brasil, rebateu dizendo que entre os convênios estão previstos mecanismos de cooperação em vigilância e proteção dos recursos da Amazônia.

Um dos eixos viários, o Pólo Interoceânico do Sul, já está em operação e não toca a região amazônica do Peru, pois liga os portos peruanos de Ilo e Matarani e os portos chilenos de Arica e Iquique com Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo, passando por Paraguai e Bolívia. Também é um velho projeto o Pólo Transoceânico Central, que ligará Rondônia e Acre com as zonas de selva, serra e a costa sul do Peru. Para sua finalização faltam apenas alguns trechos no território peruano.

Segundo o Ministério dos Transportes, “as rodovias brasileiras que o compõem estão totalmente asfaltadas e já chegam à fronteira, enquanto no Peru resta asfaltar desde Assis, na fronteira brasileira, até Inambari, em Cuzco”. Esta obra requer investimento de US$ 115 milhões e ficará pronta em dois anos, através de empréstimos do Banco Interamericano de Desenvolvimento.

A terceira via, o Pólo do Amazonas, cruzará a selva e a serra do norte peruano para chegar perto do Porto de Bayobar, vizinho a uma das maiores minas de fosfato do mundo, ainda não explorado, e vizinho de Paita, onde o governo prepara um centro aéreo e comercial. Este eixo utilizará o Rio Amazonas, e seus afluentes Maranhão e Ucayali, como avenidas fluviais de Belém do Pará, no Atlântico, passando por Manaus. Esta hidrovia subirá o Rio Putumayo, fronteira entre os dois países, e terá dois ramais que entrarão no porto colombiano de Tumaco e no Porto de Esmeraldas, na costa do Equador.

* O autor é colaborador do Terramérica.




Copyright © 2007 Tierramérica. Todos los Derechos Reservados
 

Um pequeno habitante da selva peruana. Crédito: Mauricio Ramos.
 
Um pequeno habitante da selva peruana. Crédito: Mauricio Ramos.

Enlaces Externos

Fórum Empresarial Brasil-Peru

Comunidade Andina

Tierramérica no se responsabiliza por el contenido de los enlaces externos