Análisis
PNUMAPNUD
Edición Impresa
MEDIOAMBIENTE Y DESARROLLO
 
Inter Press Service
Buscar Archivo de ejemplares Audio
 
  Home Page
  Ejemplar actual
  Reportajes
  Análisis
  Acentos
  Ecobreves
  Libros
  Galería
  Ediciones especiales
  Gente de Tierramérica
                Grandes
              Plumas
   Diálogos
 
Protocolo de Kyoto
 
Especial de Mesoamérica
 
Especial de Agua de Tierramérica
  ¿Quiénes somos?
 
Galería de fotos
  Inter Press Service
Principal fuente de información
sobre temas globales de seguridad humana
  PNUD
Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo
  PNUMA
Programa de las Naciones Unidas para el Medio Ambiente
 
Analisis


Crise agrária é uma bomba-relógio

Por Jorge Alberto Grochembakle *

Camponeses guatemaltecos afirmam que foram entregues títulos de propriedade a apenas 162 agricultores desde 1997. Acusam o governo de Alfonso Portillo de não realizar a divisão de terras segundo os acordos de paz que puseram fim a 36 anos de guerra civil.

GUATEMALA.- Camponeses e indígenas guatemaltecos se mobilizam pedindo terras, um bem inalcançável neste país onde 1% da população concentra 86% da melhor superfície cultivável. “A questão da terra continua sendo uma bomba-relógio”, disse ao Terramérica o dirigente Daniel Pascual, da Coordenadoria Nacional de Organizações Camponesas (CNOC). A organização realizou este ano “mais de uma dúzia de manifestações na capital e no interior do país”, afirmou. Noventa e seis por cento dos 11,2 milhões de habitantes possuem apenas 14% das terras e mais de 500 mil famílias camponesas estão abaixo da linha de subsistência pela falta de terra para cultivar, segundo dados oficiais.

O governo estima que cerca de seis milhões de agricultores necessitam de terra, crédito, assistência técnica e acesso a mercados, mas não implementou uma política agrária. “O balanço é que não existe no governo vontade política para resolver nossas necessidades. Fazem uma política do que supostamente quer o povo, dão fertilizantes e outros insumos mais baratos apenas para ganhar votos”, advertiu Pascual. Seguindo números do CNOC, o estatal Fundo de Terras (Fontierras) entregou 162 títulos de posse desde 1997, “o que representa nem 5% das mais de cinco mil solicitações e pedidos em tramitação”, explicou. O dirigente acusou o presidente Alfonso Portillo de ter uma agenda dupla, “porque para nós diz que cumprirá os acordos de paz quanto à questão agrária, em particular maneja outro discurso e, no fim, nada faz”.

Pascual refere-se aos 11 compromissos que, em 1996, puseram fim a 36 anos de guerra civil, em especial ao Acordo de Desenvolvimento Econômico e Agrário, que previa a divisão de terras, e foi sepultado no esquecimento pelas autoridades e pela poderosa e ultraconservadora Câmara do Agro, que reúne os latifundiários. “A saída é um pouco complexa porque é necessária uma quantidade enorme de recursos e uma política integral de desenvolvimento e mudança de leis”, disse ao Terramérica o ex-presidente da Câmara do Agro, Humberto Preti. “Um dos problemas é que o camponês só tem olhos para a terra. Faltam pólos de desenvolvimento, para desenvolver a agroindústria, mineração e pesca, e tirar a concentração da capital para o interior”, sugeriu o ainda integrante da cúpula agrária. Também acusou a Fontierras de “comprar propriedades improdutivas e caríssimas, fazendo com que os camponeses as abandonem”.

O ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Set, disse ao Terramérica que “tudo é parte de um processo que leva tempo”, e pediu a participação de empresários e camponeses e apoio financeiro internacional para encontrar uma saída. “Com essa participação integral, sobretudo dos empresários, pode-se ter acesso às terras ociosas como pregam os acordos de paz, a preços de custo e não de mercado, porque os proprietários os aumentam em até 300% ou 500%”, afirmou Set. A implementação de uma nova política agrária continua na lista de espera. A luta pela terra foi uma das questões centrais do golpe de Estado que em 1954 derrubou o presidente Jacobo Arbenz e da guerra civil que durou de 1960 a 1996.

Em 1952, milhões de camponeses e indígenas guatemaltecos viram com esperança a reforma empreendida por Arbenz. Contudo, esta foi eliminada pelo golpe de 1954, organizado e financiado pela Agência Central de Inteligência (CIA). “Em dois anos, o decreto 900 beneficiou cem mil famílias. Era um projeto integral porque em sua primeira fase incluía a entrega de terras, créditos, assessoria técnica e vias de comunicação”, disse ao Terramérica o sociólogo Miguel Sandoval, dirigente da Plataforma Agrária. “O decreto pretendia modernizar o campo e desenvolver o capitalismo rural”, e, se concretizado, teria mudado a história do país, garante Sandoval. “Lamentavelmente, a revolução guatemalteca foi considerada um mau exemplo para seus vizinhos centro-americanos e uma cabeça-de-ponte do comunismo”, acrescentou em referência à intervenção norte-americana em tempos da guerra fria.

A contra-revolução despojou das terras os camponeses beneficiados. “Este eterno problema de posse da terra, que durante meu governo não pude resolver, é uma das origens da guerra de 36 anos”, afirmou o próprio Portillo. Um relatório da Organização das Nações Unidas sobre a situação agrícola do país, divulgado em 2001, indicava que 68,6% da população guatemalteca é rurais, e dela quase 80% é pobre e 69% indigente. “A população indígena assenta-se de preferência em áreas rurais, com escassas vias de comunicação e serviços públicos”. Estes habitantes não recebem sequer uma renda mínima de US$ 3,8 por dia, segundo o Informe de Desenvolvimento Humano 2002, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, divulgado em outubro.

* O autor é colaborador do Terramérica.




Copyright © 2007 Tierramérica. Todos los Derechos Reservados
 

 

Enlaces Externos

Fundo de Terras (Fontierras)

Ministério de Agricultura e Pecuária da Guatemala

Informe de Desenvolvimento Humano 2002 - Pnud

Tierramérica no se responsabiliza por el contenido de los enlaces externos