Grandes Plumas
PNUMAPNUD
Edición Impresa
MEDIOAMBIENTE Y DESARROLLO
 
Inter Press Service
Buscar Archivo de ejemplares Audio
 
  Home Page
  Ejemplar actual
  Reportajes
  Análisis
  Acentos
  Ecobreves
  Libros
  Galería
  Ediciones especiales
  Gente de Tierramérica
                Grandes
              Plumas
   Diálogos
 
Protocolo de Kyoto
 
Especial de Mesoamérica
 
Especial de Agua de Tierramérica
  ¿Quiénes somos?
 
Galería de fotos
  Inter Press Service
Principal fuente de información
sobre temas globales de seguridad humana
  PNUD
Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo
  PNUMA
Programa de las Naciones Unidas para el Medio Ambiente
 
Grandes Nomes


Luta épica contra o capital

Por Vandana Shiva *

A liberdade do “Homem de Davos” é a liberdade para o capital, em um mundo onde tudo está à venda, considera nesta coluna exclusiva para o Terramérica Vandana Shiva, escritora e ativista ganhadora do Prêmio Nobel Alternativo de 1993.

NOVA DÉLHI.- O Fórum Econômico Mundial (FEM) concebeu um mundo modelado pelo “Homem de Davos”, centrado no capital e nos homens e nas empresas que o controlam. A liberdade para o Homem de Davos, portanto, é a liberdade para o capital. O projeto para esta liberdade é a globalização guiada pelas grandes corporações empresariais - projeto que qualifico de produto do patriarcado capitalista -, que se reflete nos condicionantes ajustes estruturais do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional, nas distorcidas, prejudiciais e antidemocráticas regras da Organização Mundial do Comércio, e no modelo econômico liberal, em geral.

Neste mundo, tudo está à venda. Tudo é uma mercadoria. A biodiversidade e as formas de vida, os genes e as sementes são propriedade intelectual que é possível patentear. A água, a verdadeira base da vida, é uma mercadoria que se comercializa e não um bem comum, nem um direito humano fundamental. Os alimentos e a agricultura não são meios de vida, mas apenas fontes de lucro para o agronegócio. Em lugar de alimentos saudáveis, este sistema perverso nos deu os organismos geneticamente modificados, a vaca louca e a obesidade. O crescimento do fundamentalismo religioso, o aumento do terrorismo e da violência, bem como a militarização e a guerra são conseqüências inevitáveis de um sistema que deixa de lado fundamentais direitos humanos e democráticos das pessoas.

Em Seattle, na Reunião Ministerial da OMC de 1999, o modelo de globalização empresarial foi desafiado em nível global por cidadãos de diferentes partes do mundo. Seattle marcou uma mudança tectônica na qual o poder popular freou o monstro da globalização e fez com que a reunião fracassasse. E no Fórum Social Mundial (FSM) realizado depois de Seattle, em Porto Alegre, começou a soar um novo lema nos movimentos sociais, “Outro Mundo é Possível”, alternativo à globalização. Entre 16 e 21 deste mês foi realizado o quarto FSM, em Mumbai, na Índia.

A primeira mensagem do Fórum ao FEM é seu próprio nome. O FSM tem como importância principal as pessoas e a sociedade, enquanto o FEM coloca em primeiro lugar as corporações empresariais e o capital. A segunda mensagem se refere aos sistemas de organização, um controlado pelo capital e o outro organizado conjuntamente por milhares de grupos. É nesta diversidade e pluralidade da organização que uma nova polítgica começou a tomar forma. A terceira mensagem é a da paz e não-violência. A violência é o meio e o fim de uma economia baseada na cobiça, na ditadura econômica e no militarismo. A não-violência é, tanto nos meios quanto nos fins, o resultado da escolha do povo.

Contudo, há dois perigos para as mobilizações do FSM. O primeiro vem de seu próprio interior. Enquanto o êxito de Seattle foi o resultado da capacidade de organização das pessoas e de sua solidariedade na diversidade, há uma tendência entre certas organizações para imitar o gigantismo e o controle centralizado das estruturas dominantes, em lugar de criar uma plataforma para acolher e dar energia a diversas tendências, movimentos e culturas. Essa tendência supõe o risco de sufocar o processo do FSM. Na nova política incentivada pelos cidadãos, o global precisa do local e o local do global. Uma resistência global sem raízes locais não pode durar muito, do mesmo modo que os movimentos locais sem solidariedade global podem se transformar em paroquiais, defensivos e inseguros.

Não é necessário institucionalizar o FSM. Fazê-lo seria um custoso desperdício. O grande tamanho é a fortaleza do poder e a vulnerabilidade das pessoas. A pequenez e a diversidade, ao contrário, são a força do povo e a vulnerabilidade do poder.

A segunda ameaça para o FSM está surgindo no exterior, de políticas de velho estilo baseadas em princípios patriarcais e na celebração da violência e da fragmentação. O Mumbai Resistência 2004, organizado em oposição ao FSM, reflete o divisionismo e a violência das políticas de velho estilo, que tenta prejudicar a política de paz e diversidade que os movimentos antiglobalização construíram nos últimos dez anos com o enfoque de “viver e deixar viver”.

A luta entre o povo e o capital agora é uma luta épica de vida ou morte que apenas começou. Este é o início de um novo capítulo na história da humanidade, não “o fim da história”.

* A autora é escritora e militante de campanhas internacionais em favor dos direitos da mulher e do meio ambiente, tendo recebido o Prêmio Nobel Alternativo 1993.




Copyright © 2007 Tierramérica. Todos los Derechos Reservados