Acentos
PNUMAPNUD
Edición Impresa
MEDIOAMBIENTE Y DESARROLLO
 
Inter Press Service
Buscar Archivo de ejemplares Audio
 
  Home Page
  Ejemplar actual
  Reportajes
  Análisis
  Acentos
  Ecobreves
  Libros
  Galería
  Ediciones especiales
  Gente de Tierramérica
                Grandes
              Plumas
   Diálogos
 
Protocolo de Kyoto
 
Especial de Mesoamérica
 
Especial de Agua de Tierramérica
  ¿Quiénes somos?
 
Galería de fotos
  Inter Press Service
Principal fuente de información
sobre temas globales de seguridad humana
  PNUD
Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo
  PNUMA
Programa de las Naciones Unidas para el Medio Ambiente
 
Acentos


Impossível reduzir a fome até 2015

Por Jorge A. Grochembake*

A FAO já sabe que em 2015 não estará cumprida a meta de salvar da fome a metade dos 54,8 milhões de latino-americanos e caribenhos que dela padecem.

GUATEMALA.- A intenção da comunidade internacional de salvar da fome a metade da população que a sofre não poderá ser cumprida na América Latina e no Caribe até 2015, pois será impossível reverter a tendência ascendente da insegurança alimentar, concluiu a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), em sua reunião realizada na Guatemala. “No ritmo em que vamos, nem em 150 anos a meta será atingida”, afirmou ao Terramérica o embaixador permanente de Cuba perante a FAO, Alfredo Puig. Camponeses e indígenas da América Latina e do Caribe reclamam há décadas terras e créditos para saírem da indigência e garantirem seu sustento.

Em 1996, chefes de Estado e de governo reunidos na Cúpula Mundial da Alimentação de Roma comprometeram-se a reduzir à metade, no mais tardar até 2015, a proporção de pessoas com fome, estimadas em 842 milhões em todo o mundo. A FAO “estima que existem 54,8 milhões de pessoas desnutridas” na América Latina e no Caribe. “Para alcançar a meta, seria necessário reduzir esse número para menos de 30 milhões, enquanto a extrapolação da tendência indica que, em 2015, ainda existirão 49 milhões de pessoas em situação de insegurança alimentar”, advertiu a organização.

O sombrio panorama é parte de um documento da FAO, discutido entre 26 e 30 de abril, na capital guatemalteca, durante a XXVIII Conferência Ministerial da FAO para a América Latina e o Caribe, com as presenças de ministros da Agricultura de 33 países. “Enquanto não formos capazes de combater as causas que originam tudo isso, continuaremos neste círculo vicioso, de demandas e demandas insolúveis”, afirmou o embaixador de Cuba.

A América Central é a região que mais preocupa: nos anos 90 tinha cinco milhões de pessoas mal alimentadas, número que no final da década chegou a 7,5 milhões. Parte do problema, segundo Puig, está no fato de que mais de 70% da população mundial com fome vive em áreas rurais, desatendidas por governos e pela comunidade internacional, que em lugar de investir no campo o fazem em infra-estrutura urbana. O mexicano Gustavo Gordillo, subdiretor da FAO para a América Latina e o Caribe, disse ao Terramérica que a falta de financiamento rural é uma séria preocupação. “O financiamento via cooperação internacional e os recursos via créditos estão diminuindo de maneira consistente nos últimos dez anos”, disse Gordillo.

O clima que cercou a conferência não fez mais do que refletir o desânimo com essas notícias. O bispo católico gatemalteco Álvaro Ramazzini, à frente de milhares de camponeses que protestaram na Guatemala, no dia 28 de abril, acusou a FAO de estar “dominada por burocratas que gastam os fundos em reuniões e viagens sem nada resolverem”. Também questionou que a agência “avalie” modelos como o agroexportador, que “na Guatemala apenas torna ricos uns poucos e deixa a grande maioria muito pobre”, afirmou o religioso. “Tampouco - acrescentou - abordam o tema da posse da terra, que obedece a esse modelo agroexportador”, protestou o bispo da diocese do departamento de San Marcos, na fronteira com o México e foco de repetidos conflitos pela terra.

O embaixador Puig recordou que apenas os países do norte da Europa cumprem o compromisso assumido pelas nações industriais de dedicarem 0,7% de seu produto interno bruto (PIB) à cooperação para o desenvolvimento. Segundo a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), Dinamarca, Holanda, Luxemburgo, Noruega e Suécia são os únicos países industrializados que honram esse compromisso.

O senegalês Jacques Diouf, diretor-geral da FAO, reconheceu ao Terramérica a tendência negativa no combate à fome e a queda do financiamento. “Entre 1990 e 2000, os recursos do setor público para ajuda ao desenvolvimento diminuíram em 50%”, disse Diouf. A redução inclui tanto os itens cooperação e créditos internacionais quanto fundos dos governos. Contudo, “vimos em alguns países do continente uma vontade clara” de destinar maiores recursos á área rural. “É preciso garantir que todos os paises tenham essa vontade e que se traduza em investimento real, em destinar uma parte do orçamento nacional em favor dos pobres e, em particular, dos agricultores”, pediu Diouf.

O diretor-geral afirmou que a FAO incentiva estratégias de desenvolvimento agropecuário e de segurança alimentar, como o Programa Fome Zero do governo brasileiro e a Frente Contra a Fome na Guatemala. A FAO também apóia programas dirigidos aos camponeses, como “o controle de água, obras de irrigação e drenagem e atividades de melhoria de cultivos e diversificação de pequenas produções”.

* O autor é colaborador do Terramérica.




Copyright © 2007 Tierramérica. Todos los Derechos Reservados
 

 

Enlaces Externos

FAO - Relatório o Estado da Insegurança Alimentar no Mundo - 2001

Ifad - Fundo Internacional para o Desenvolvimento da Agricultura

Banco Mundial - Estratégias para a Redução da Pobreza

Tierramérica no se responsabiliza por el contenido de los enlaces externos