Reportajes
PNUMAPNUD
Edición Impresa
MEDIOAMBIENTE Y DESARROLLO
 
Inter Press Service
Buscar Archivo de ejemplares Audio
 
  Home Page
  Ejemplar actual
  Reportajes
  Análisis
  Acentos
  Ecobreves
  Libros
  Galería
  Ediciones especiales
  Gente de Tierramérica
                Grandes
              Plumas
   Diálogos
 
Protocolo de Kyoto
 
Especial de Mesoamérica
 
Especial de Agua de Tierramérica
  ¿Quiénes somos?
 
Galería de fotos
  Inter Press Service
Principal fuente de información
sobre temas globales de seguridad humana
  PNUD
Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo
  PNUMA
Programa de las Naciones Unidas para el Medio Ambiente
 
Artigo


Indígenas ecologistas esperam medalha ou castigo

Por Diego Cevalos*

Dois camponeses contrários ao corte de florestas podem ser condenados à prisão no México. Para as ongs são presos de conciencia, para os promotores, criminosos.

MÉXICO.- Em dois meses, Isidro Baldenegro e Hermenegildo Rivas, dois indígenas do setentrional Estado mexicano de Chihuahua contrários ao corte de florestas, poderão ser condenados a cerca de dez anos de prisão por posse de armas e drogas, ou ganhar a liberdade levando no peito uma medalha por terem sido presos de consciência. Pouco mais de um ano após suas prisões por acusações de policiais e promotores, que grupos ambientalistas e humanitários consideram falsas e voltadas a deter a luta dos dois nativos, o julgamento entrou este mês em sua última etapa e espera-se uma sentença prossivelmente em julho. “O caso está cercado de irregularidades e há elementos suficientes para que se ordene a liberdade imediata dos acusados”, disse ao Terramérica Agustín Bravo, diretor da organização não-governamental Força Ambiental, grupo que trabalha em Chihuahua e apóia a defesa dos dois camponeses da etnia rarámuri, também chamada tarahumara.

A Força Ambiental, mais Greenpeace, Anistia Internacional e o mexicano Centro de Direitos Humanos Agustín Pro Juáres, intervêm a favor dos camponeses, os quais consideram presos de consciência. No entanto, a resposta oficial foi uma e outra vez que não houve irregularidade judicial no caso. Ambos foram presos em março de 2003, justamente quando conseguiam, junto com outros nativos, deter temporariamente o corte de uma floresta de pinheiros em sua comunidade, Coloradas da Virgem, em uma região de mais de 50 mil hectares que os rarámuris habitam desde tempos imemoriais e na qual residem atualmente cerca de 360 famílias dessa etnia. Nos anos 50, o governo cedeu aos colonos quase toda essa região, especialmente a floresta e a terra cultivável.

Em ações legais posteriores, os indígenas, dos quais um dos lídres principias é Baldenegro, conseguiram recuperar parte de suas terras tradicionais, mas quase todos ficaram deslocados em zonas de barranco, o que não os impediu de se manterem como guardas da floresta nativa. Segundo o boletim policial, Baldenegro e Rivas estavam de posse de armas. O primeiro também foi acusado de ter maconha em seu poder. Depois de sua detenção, os acusados foram fotogrados pela policía com as armas e a droga, mas eles afirmam que foram obrigados a isso e que tudo faz parte de um plano, incentivado por caciques e máfias que cortam as florestas. “Condenamos o uso do sistema judicial como instrumento para hostilizar e ameaçar o trabalho e a vida dos defensores dos direitos humanos”, afirmou sobre o caso Carlos Gómez, diretor da Anistia Internacional no México.

Diversos estudos indicam que na Serra Tarahumara, que inclui a região de Coloradas da Virgem, a delinqüência organizada tem ligações com policiais, empresários madeireiros e narcotraficantes. Baldenegro disse ao Terramérica, pouco depois de ser preso, que se sentia “impotente ao ver como nos acusam (as máfias) e (os juízes e policiais) acreditam”. Segundo os advogados de defesa de ambos, vários dos agentes que detiveram seus clientes, “possivelmente por ordens superiores”, negaram-se repetidas vezes a depor sobre o caso e também são alvo de investigações da própria polícia por envolvimento em diversas irregularidades. “Em Coloradas da Virgem há gente ameaçada por diversos personagens que se dedicam a cortar a floresta, mas não podemos revelar nomes no momento”, disse Bravo.

Por testemunhos de várias fontes, sabe-se que um dos referidos é Artemio Fontes, cuja familia exerce há várfios anos a liderança da comunidade, e através de assembléias supostamente legais consegue autorizar a extração de madeira. Baldenegro manteve um contínuo confronto legal com a familia Fontes, mas até agora só conseguiu proibições temporárias do corte da floresta. Seu pai, Juli Baldenegro, foi dirigente comunitário e acabou assassinado por franco-atiradores em 1986. O crime nunca foi esclarecido, mas o ativista preso garante que os responsáveis foram caciques que cortam a madeira e têm relações com o narcotráfico.

“Como é possível que, novamente, os que lutam por defender o meio ambiente estejam na prisão enquanto os depredadores podem agir impunemente?”, perguntou Alejandro Calvillo, diretor do Greenpeace no México. “A autoridade não só não cumpre seu dever, como se põe a serviço dos caciques e dos cortadores”, denunciou. A ong norte-americana Forest Guardians (Guardiões da Floresta) afirma que, na Serra Tarahumara, a familia Fontes representa um dos coronelismos mais violentos, e que em sua zona de influência a floresta é arrasada de maneira alarmante por grupos ligados aos narcotraficantes. Um relatório da Promotoria Geral indica que nas regiões mais afastadas da Serra de Chihuahua “mais da metade dos indígenas (…) é levada a plantar drogas. Chihuahua, com cerca de sete milhões de hectares de florestas de clima temperado e frio, é vizinho dos Estados Unidos, principal consumidor de drogas no mundo.

* O autor é correspondente da IPS.




Copyright © 2007 Tierramérica. Todos los Derechos Reservados