Acentos
PNUMAPNUD
Edición Impresa
MEDIOAMBIENTE Y DESARROLLO
 
Inter Press Service
Buscar Archivo de ejemplares Audio
 
  Home Page
  Ejemplar actual
  Reportajes
  Análisis
  Acentos
  Ecobreves
  Libros
  Galería
  Ediciones especiales
  Gente de Tierramérica
                Grandes
              Plumas
   Diálogos
 
Protocolo de Kyoto
 
Especial de Mesoamérica
 
Especial de Agua de Tierramérica
  ¿Quiénes somos?
 
Galería de fotos
  Inter Press Service
Principal fuente de información
sobre temas globales de seguridad humana
  PNUD
Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo
  PNUMA
Programa de las Naciones Unidas para el Medio Ambiente
 
Acentos


Energia renovável nem sempre é sustentável

Por Gustavo González*

A América Latina obtém mais de 20% de sua energia de fontes renováveis. Mas grande parte provém das hidrelétricas, que podem causar danos a ecossistemas.

Santiago – A proporção de 10% de fontes renováveis para cobrir a oferta energética, fixada como meta mundial para 2010, se verifica atualmente na América Latina, mas, com alta participação de grandes centrais hidrelétricas, o que é criticado por ambientalistas. Quando a região assumiu essa meta, em 2002, usava quase 26% de fontes renováveis, das quais 15% eram hidroenergia, segundo dados da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal). Renovável não significa sustentável, alegam os que desejam menos represas gigantescas, controle do uso de lenha (5,8% das fontes regionais em 2002) e que se dê lugar a fontes não convencionais, como fez a Costa Rica, cuja matriz energética depende em quase 50% da geotermia, produtos de cana, biomassa e outros insumos renováveis.

A Conferência Internacional de Energias Renováveis, realizada em Bonn, de 1 a 4 deste mês, reuniu delegados de 154 países que avaliaram o avanço rumo ao objetivo de substituir combustíveis fósseis na matriz energética mundial, fixado em 2002, na Cúpula de Desenvolvimento Sustentável de Johannesburgo. A meta de 10% de energia renovável em 2010 representa “a oportunidade de combater a pobreza ao usar recursos naturais locais de forma descentralizada, a possibilidade de superar a dependência de combustíveis fósseis que significam um alto custo para os países do Sul e a urgência em proteger o clima e o meio ambiente”, disse ao Terramérica Sara Larraín, diretora do programa Chile Sustentável. Cerca de 23% da Oferta Total de Energia Primária (OTEP) da América Latina surge de fontes renováveis, incluindo hidroeletricidade, segundo o estudo da Cepal “Sustentabilidade energética na América Latina e no Caribe: a contribuição das fontes renováveis”, divulgado em outubro de 2003.

De acordo com esse documento, a Argentina, muito dependente do gás natural, é o único país da região abaixo dos 10% de fontes renováveis, mas há outros quatro em uma zona crítica, de 10% a 20%: México, Equador, Venezuela e Chile. No outro extremo está Costa Rica, com 99,2%, seguida de Paraguai, Honduras, Haiti e El Salvador com mais de 80%. Ativistas e especialistas afirmam que as grandes centrais hidrelétricas prejudicam os ecossistemas associados aos cursos fluviais e alteram as condições de vida de comunidades locais, geralmente indígenas.

A lenha é renovável sempre que for compensada com um reflorestamento adequado. Coviello e Altomonte afirmam que a dependência de lenha é “preocupante e, de certa forma, negativa, devido ao forte impacto e pressão exercidos sobre os recursos florestais e o conseqüente aumento das emissões de dióxido de carbono derivadas da queima de lenha”. As emissões de dióxido de carbono são as principais responsáveis pelo chamado efeito estufa. A fonte renovável mais acessível parece ser, atualmente, a geotérmica, em razão dos altos custos que ainda representa a utilização em grande escala da luz solar, dos ventos e das marés como insumos energéticos, embora a biomassa (derivada de compostos orgânicos) também dê lugar às pequenas centrais hidrelétricas.

“O Brasil tem a matriz energética mais sustentável e limpa do mundo”, com 90% de seu OTEP baseados em fontes renováveis, incluindo a hidroeletricidade, assegurou ao Terramérica Emilio La Rovere, professor de Planejamento Energético de um programa de pós-graduação da Universidade do Rio de Janeiro. Depois da crise energética dos anos 70, o Brasil desenvolveu o álcool a partir da cana-de-açúcar como combustível substituto da gasolina. Nos últimos anos, as empresas automobilísticas desenvolveram motores que utilizam gasolina ou álcool alternadamente, e, inclusive, ambos misturados, e se preparam para modelos tri-combustíveis, que também poderão utilizar gás. No Brasil existem atualmente entre 700 mil e 800 mil automóveis movidos a gás natural, número superado apenas pela Argentina.

Um caso destacado pelos ambientalistas é o de Cuba. A matriz energética desse país “é sustentável, por se modificar e tender a alcançar um desenvolvimento energético sustentável”, disse ao Terramérica Luis Bérriz, presidente da Cubasolar, organização não-governamental que estimula o uso de fontes renováveis. Cuba dependeu do petróleo soviético até o início dos anos 90, quando a interrupção do fornecimento colocou a economia da ilha em crise. Desde então, desenvolveu a exploração de recursos locais de hidrocarbonos, bem como planos de economia, junto com o investimento na pesquisa de fontes renováveis. Porém, o documento da Cepal afirma que Cuba ainda depende em alto grau do petróleo, que representa 56,1% de seu OTEP, enquanto as fontes renováveis constituem 37,9% e são majoritariamente produtos de cana (34,5% do total), que costumam ser usadas em “processos de combustão pouco eficientes”.

* O autor é correspondente da IPS. Com as colaborações de Patrícia Grogg (Cuba) e Mário Osava (Brasil).




Copyright © 2007 Tierramérica. Todos los Derechos Reservados
 

 

Enlaces Externos

Conferência Internacional de Energias Renováveis

Tierramérica no se responsabiliza por el contenido de los enlaces externos