Diálogos
PNUMAPNUD
Edición Impresa
MEDIOAMBIENTE Y DESARROLLO
 
Inter Press Service
Buscar Archivo de ejemplares Audio
 
  Home Page
  Ejemplar actual
  Reportajes
  Análisis
  Acentos
  Ecobreves
  Libros
  Galería
  Ediciones especiales
  Gente de Tierramérica
                Grandes
              Plumas
   Diálogos
 
Protocolo de Kyoto
 
Especial de Mesoamérica
 
Especial de Agua de Tierramérica
  ¿Quiénes somos?
 
Galería de fotos
  Inter Press Service
Principal fuente de información
sobre temas globales de seguridad humana
  PNUD
Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo
  PNUMA
Programa de las Naciones Unidas para el Medio Ambiente
 
Diálogos


"O Protocolo de Kyoto é só o começo"

Por Marcela Valente*

O Terramérica conversou com a principal funcionária da ONU em matéria de mudança climática.

BUENOS AIRES.- Desde 2002, a holandesa Joke Waller-Hunter é secretária-executiva da Convenção Marco das Nações Unidas sobre Mudança Climática (UNFCC, sigla em inglês) e tem a responsabilidade de organizar as conferências das partes desse acordo, que a cada ano reúnem delegados de 188 governos para discutir formas de reduzir as emissões de gases que causam o efeito estufa.

Entre 6 e 17 de dezembro acontecerá em Buenos Aires a X Conferência das Partes sobre Mudança Climática (COP 10), coincidindo com o décimo aniversário da entrada em vigor da Convenção. "Um ótimo presente de aniversário seria a ratificação do Protocolo de Kyoto por parte da Rússia", o que permitiria a entrada em vigor do tratado, disse Joke ao Terramérica, durante visita à capital argentina. Entretanto, ressaltou, Kyoto é apenas o primeiro passo.



- O que espera da COP 10?

- Será uma Conferência muito especial, porque é o décimo aniversário da entrada em vigor da Convenção, e os aniversários sempre são uma oportunidade de se olhar para trás, analisar o que se conseguiu e também ver para onde nos dirigimos e o que devemos fazer para resolver os problemas da mudança climática.



- A qual tema será dado ênfase?

- Esperamos que a COP 10 se centre com muita força no debate sobre ações comuns dos países e na cooperação nacional e internacional necessária para a adaptação à mudança, sobretudo nos países em desenvolvimento, que são os mais vulneráveis.



- Acredita que a Rússia ratificará o Protocolo?

- Sabemos que é decisão do governo russo trabalhar a partir de seus ministérios para preparar uma posição comum, e que esse processo está em andamento. É uma discussão no mais alto nível político, e não sabemos exatamente quando terminará. Com essa incerteza preparamos a COP 10. Naturalmente, seria um ótimo presente de aniversário se a Rússia ratificasse o Protocolo durante a Conferência de Buenos Aires.



- O que acontecerá se não o fizer antes da reunião na capital argentina?

- Não acredito que haja impacto direto sobre a Conferência. Mais ainda, a entrada em vigor do Protocolo não é um requisito para definir o sucesso ou fracasso da reunião, porque a base de nossas deliberações é a Convenção sobre Mudança Climática. O Protocolo tem papel importante, porque dá aos países industrializados metas claras. Embora não estejam em vigor, influi na agenda dos países que o ratificaram. E o Protocolo é apenas um primeiro passo para atender um problema de longo alcance.



- Julga possível os Estados Unidos voltarem a se comprometer com a redução de emissões, depois que retirou sua assinatura do Protocolo, em 2001?

- Para sermos efetivos na futura implementação da Convenção, necessitamos ter todos os setores envolvidos: os que ratificaram o Protocolo de Kyoto, os que não o fizeram e os que disseram que não o farão. Certamente, os ministros vão analisar como podemos contar com todos eles.



- Qual mensagem gostaria que a COP 10 deixasse?

- Deveria destacar a importância da mudança climática como problema mundial muito grave, além de mostrar como age a comunidade internacional para lidar com ele.

* A autora é correspondente da IPS.


Copyright © 2007 Tierramérica. Todos los Derechos Reservados
 

 

Enlaces Externos

UNFCC

Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática

Tierramérica no se responsabiliza por el contenido de los enlaces externos