Acentos
PNUMAPNUD
Edición Impresa
MEDIOAMBIENTE Y DESARROLLO
 
Inter Press Service
Buscar Archivo de ejemplares Audio
 
  Home Page
  Ejemplar actual
  Reportajes
  Análisis
  Acentos
  Ecobreves
  Libros
  Galería
  Ediciones especiales
  Gente de Tierramérica
                Grandes
              Plumas
   Diálogos
 
Protocolo de Kyoto
 
Especial de Mesoamérica
 
Especial de Agua de Tierramérica
  ¿Quiénes somos?
 
Galería de fotos
  Inter Press Service
Principal fuente de información
sobre temas globales de seguridad humana
  PNUD
Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo
  PNUMA
Programa de las Naciones Unidas para el Medio Ambiente
 
Acentos


Alerta sobre “lavagem verde”

Por Sonny Inbaraj*

As corporações voltaram ao centro do debate durante o Congresso Mundial da União Mundial para a Natureza.

BANGCOC.- Os céticos pensam que a associação entre ambientalistas e multinacionais serve apenas para maquiar a deteriorada imagem de algumas companhias. No entanto, existem ativistas convencidos de que aliar-se a grandes empresas é importante para salvar o planeta. Estas duas opiniões chocaram-se em uma acalorada sessão sobre negócios e biodiversidade durante o Terceiro Congresso Mundial da Natureza, realizado de 17 a 25 de novembro, em Bangcoc, pela União Mundial para a Natureza (UICN, sigla em inglês).

“Criar uma situação onde todos ganhem é um dos desafios, a partir da perspectiva de uma organização não-governamental, ao trabalhar junto com uma grande corporação”, afirmou nesse encontro o brasileiro André Guimarães, diretor-executivo do Instituto BioAtlântica. Essa ong trabalha pela proteção da Mata Atlântica, um extenso bioma formado por florestas da costa brasileira e seus ecossistemas associados, considerado um dos mais ricos em biodiversidade do planeta e hábitat exclusivo de 20 espécies primatas. Já existem cerca de 360 reservas privadas na Mata Atlântica, que desde 1500 perdeu 93% de sua superfície e se reduziu a ilhotas verdes em um mar de crescente urbanização.

“Minha missão é conservar a Mata Atlântica, e a das empresas é gerar lucro, com máximo benefício para seus acionistas. Nosso desafio é mostrar-lhes, em sua linguagem, quais benefícios podem obter se conservarem a biodiversidade”, disse Guimarães. Esse bioma desaparece duas vezes e meia mais rápido do que a Amazônia, e é vítima do pior caso de desmatamento no planeta, depois de Madagáscar. “Setenta por cento da população brasileira vive na Mata Atlântica e é responsável por 80% do produto interno bruto do país, e 90% da área é propriedade privada. Portanto, devemos trabalhar com o setor privado, ou não conseguiremos preservação alguma”, argumentou o ativista.

Porém, os críticos expressam alarme ao verem que o orçamento de muitas ongs aumenta junto com sua associação a grandes comporações. “O enorme risco é o que chamo de 'lavagem verde', ou seja, um processo no qual as empresas melhoram sua imagem e quase não alteram sua prática”, disse ao Terramérica Marcus Colchester, diretor da ong britânica Programa dos Povos para as Florestas. “Penso que as organizações conservacionistas correm o risco de pagar um preço extremamente alto por mesquinhos benefícios, se perderem a confiança do público e de seus próprios integrantes”, afirmou.

O Congresso de Bangcoc reuniu representantes de 81 Estados, 114 agências governamentais, mais de 800 ongs e cerca de dez mil cientistas e especialistas de 181 países. Ao término do encontro, os participantes exortaram os governos de todo o mundo a cumprirem a meta de reduzir até 2010 a perda global da biodiversidade, que se acelera a um ritmo sem precedentes: 15.589 espécies já estão em risco de extinção.

A britânica Birdlife International, uma das mais importantes defensoras de espécies do mundo, foi colocada no banco dos réus durante a conferência. A organização foi censurada por sua sociedade com a Rio Tinto, a maior empresa de mineração do mundo, com sedes na Austrália e Grã-Bretanha, denunciada durante anos como responsável por danos ambientais e, inclusive, violações dos direitos humanos. Entre essas acusações estão as de impedir que seus trabalhadores na Austrália formem sindicatos, expor a saúde de seus mineiros que extraem urânio na Namíbia, e ser negligente ou cúmplice diante de abusos na guerra civil de Papua-Nova Guiné, onde explorava jazidas de cobre.

As associações da Rio Tinto com ongs ecologistas são “um caminho fundamental para atingir nossas metas em matéria de biodiversidade”, afirmou o assessor ambiental da empresa Stuart Anstee.

O administrador da Birdlife International, Jonathan Stacey, admitiu que as ongs colocam-se em uma posição vulnerável ao receberem dinheiro de multinacionais, mas defendeu a associação entre seu grupo e a Rio Tinto. O importante “é como se usa o dinheiro, como é destinado e entregue. Enquanto isso se adequar aos objetivos da Birdlife, existirá uma base sólida para a corporação”, disse aos participantes da conferência.

Sachin Kapila, assessor em Biodiversidade da empresa petroleira Shell, destacou que os diretores e acionistas dessa companhia “entendem claramente” que suas atividades causam um impacto sobre o meio ambiente. Reconheceu, entretanto, que “não necessariamente se compreende em todos os níveis da organização o que se deve fazer a respeito”. A Shell International, junto com a British Petroleum (BP) e outras transnacionais, anunciou no ano passado, durante o Quinto Congresso Mundial de Parques, realizado na África do Sul, que se comprometia a não explorar nenhuma das áreas listadas como patrimônio mundial.

* O autor é correspondente da IPS.




Copyright © 2007 Tierramérica. Todos los Derechos Reservados
 

 

Enlaces Externos

União Mundial para a Natureza

Instituto BioAtlántica

Programa dos Povos para as Florestas

Río Tinto

Tierramérica no se responsabiliza por el contenido de los enlaces externos