Reportajes
PNUMAPNUD
Edición Impresa
MEDIOAMBIENTE Y DESARROLLO
 
Inter Press Service
Buscar Archivo de ejemplares Audio
 
  Home Page
  Ejemplar actual
  Reportajes
  Análisis
  Acentos
  Ecobreves
  Libros
  Galería
  Ediciones especiales
  Gente de Tierramérica
                Grandes
              Plumas
   Diálogos
 
Protocolo de Kyoto
 
Especial de Mesoamérica
 
Especial de Agua de Tierramérica
  ¿Quiénes somos?
 
Galería de fotos
  Inter Press Service
Principal fuente de información
sobre temas globales de seguridad humana
  PNUD
Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo
  PNUMA
Programa de las Naciones Unidas para el Medio Ambiente
 
Artigo


Uma megatrilha para o ecoturismo

Por Gustavo González*

O Chile constrói uma trilha de oito mil quilômetros para caminhadas, excursões e projetos ambientais. Estará pronta em 2010.

SANTIAGO.- Doze projetos ambientais promoverão o ecoturismo na Trilha do Chile que, com oito mil quilômetros, será uma das maiores do mundo para caminhadas e excursões de bicicleta e a cavalo. Começa em Visviri, no vértice da fronteira com Peru e Bolívia, e segue até o Cabo Horns, extremo sul da América e cruzará 40 bacias hidrográficas. Três mil quilômetros de seu traçado passarão por regiões de pradaria e matagais, outros 400 mil por florestas e 200 mil por áreas carentes de vegetação, em desertos, vales de lava vulcânica ou estepes da Patagônia. A trilha inclusive chegará à distante Ilha de Páscoa, onde conta com um trecho de oito quilômetros. Está previsto que fique pronta em 2010, quando se comemorará o segundo centenário da independência do país, mas já estão disponíveis alguns trechos e os primeiros projetos ambientais são iniciados.

No dia 7 de abril foi inaugurada em Requinoa, cerca de 100 quilômetros ao sul de Santiago, a primeira de 12 iniciativas sustentáveis para a trilha, promovidos pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) e pela Comissão Nacional do Meio Ambiente (Conama). O projeto, denominado “No caminho do ecoturismo e da sustentabilidade”, é “uma grande contribuição, já que financiará atividades que darão maior valor à Trilha do Chile, proporcionarão renda para suas comunidades e protegerá o meio ambiente”, destacou Irene Philippi, representante do Chile no Pnud. No final de 2004, a Conama e o Pnud assinaram um convênio para financiar os 12 projetos, com investimento total de US$ 310 mil.

Essas duas instituições colocam no projeto US$ 190 mil, com recursos procedentes do Fundo para o Meio Ambiente Mundial (GEF) e seu Programa de Pequenos Subsídios. Os outros US$ 120 mil são contribuição dos organismos executores dos projetos e entidades associadas a eles, majoritariamente comunitárias e da sociedade civil. No contexto do apoio à construção dessa trilha também houve um concurso para financiar em todo o país projetos de até US$ 15,5 mi com contribuições do Pnud e da Conama, sem prejuízo dos recursos adicionais obtidos pelas próprias organizações locais. Segundo Paulina Saball, diretora da Conama, o convênio com o Pnud permite cooperar em assuntos ambientais relevantes para o Chile, dentro da agenda governamental na matéria, que busca favorecer “a contribuição de organizações comunitárias, públicas e privadas na educação ambiental”.

A entidade executora do projeto em Requinoa é a Associação de Guias e Escoteiros de Rancagua, capital da Sexta Região. A iniciativa inclui capacitação de guias para ecoturismo, tanto do escotismo quanto de 10 colégios, além da construção de um refúgio, cinco painéis educativos, dois sítios para acampar e dois caminhos interpretativos adicionais sobre flora e fauna locais. Também serão editados três mil manuais e será feito um vídeo educativo, como parte das tarefas para atrair visitantes, que incluirão cooperação com agências de turismo e comunidades locais. “O escotismo desde suas origens se inspira no conhecimento da natureza e na proteção dela. A iniciativa de criar a Trilha do Chile deve ser complementada com projetos como o de Requinoa, de educação e sustentabilidade ambiental”, disse ao Terramérica Paola Campos, guia de um grupo de escoteiros de Santiago.

Um dos projetos da Trilha do Chile que serão favorecidos com pequenos subsídios é o de um desenvolvimento turístico em Colchane, na fronteira do altiplano com a Bolívia e cerca de dois mil quilômetros ao norte de Santiago, a cargo da Associação Indígena Aymara Suny Marka. Também será financiado um projeto da comunidade Atacameña de San Francisco de Chiu-Chiu, que fomenta o turismo rural em Inca-Coya, na desértica Segunda Região, aproximadamente 1.400 quilômetros ao norte da capital e que, como o anterior, a previsão é de que esteja pronto em 2006. A Junta de Vizinhos da pequena localidade rural de San Félix, na Terceira Região, 800 quilômetros ao norte de Santiago, também construirá caminhos locais à Trilha do Chile dentro de um projeto próprio denominado Rota turística Los Espanholes.

* O autor é correspondente da IPS.




Copyright © 2007 Tierramérica. Todos los Derechos Reservados
 

 

Enlaces Externos

Sendero de Chile

Pnud-Chile

Comissão Nacional de Meio Ambiente

Fundo para o Meio Ambiente Mundial

Tierramérica no se responsabiliza por el contenido de los enlaces externos