Va al Ejemplar actual
PNUMA PNUD Inter Press Service
Edición Impresa
 

Una edición especial de Tierramérica sobre el Corredor Biológico Mesoamericano con el respaldo de la Comisión Centroamericana de Ambiente y Desarrollo y el Banco Mundial.

Comisión Centroamericana de Ambiente y Desarrollo     Banco Mundial

 
 
 

"Enlaces Externos"

Sitio web del Corredor Biológico Mesoamericano: Naturalmente Unidos

PNUMA: Corredor Biológico Mesoamericano: detalles y metas del proyecto

Banco Mundial: información sobre proyectos ambientales en Centroamérica, incluyendo al CBM

Comisión Centroamericana de Ambiente y Desarrollo: noticias, documentos, legislación...

WRI: En busca de un enfoque común para el CBM: texto completo del documento en español en formato PDF (238 Kb)

PNUD-CCAD-GTZ: Presentación del proyecto del CBM

NASA/CCAD: Mapeo y monitoreo del CBM

The Mesoamerican Biological Corridor: un estudio del CBM por Craig Metrick (en inglés)

   
 
   
 
   
 
   
  Inter Press Service
Principal fuente de información
sobre temas globales de seguridad humana
  PNUD
Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo
  PNUMA
Programa de las Naciones Unidas para el Medio Ambiente

 

 



 
Ecobreves

 
 

ARGENTINA: Indígenas apelam contra venda de reserva

BUENOS AIRES.- Indígenas da etnia wichí do norte da Argentina apresentaram, no início de junho, à Justiça da província de Salta um recurso de amparo para impedir a venda de 16 mil hectares que até há dois meses era uma reserva natural.

O governo de Salta criou a reserva em 1995 para proteger a floresta nativa, mas, em abril, apresentou um projeto no Parlamento da província para vender esse área “com fins produtivos”. Os legisladores o aprovaram.

Matias Duarte, advogado da comunidade indígena Eben Ezer, denunciou que a venda afeta direitos constitucionais referentes à terra ocupada por membros da etnia wichí, sua participação na gestão de recursos naturais e a um ambiente são.

A organização ambientalista Greenpeace também questionou a medida e afirmou que a área é “vital” para os wichí, pois lhes proporciona caça, frutos, mel e lenha.

 
 

PERU: Camponeses dispostos a destruir parte de gasoduto

LIMA.- Camponeses do Vale da Convenção, no departamento peruano de Cusco, ameaçam destruir um quilômetro do gasoduto Camisea-Lima se as empresas que o constróem, Teching, Plus Petrol e Transportadora de Gás do Peru (TGP), não concordarem em indenizá-los com US$ 20 milhões por danos ambientais na região.

O vice-ministro de Energia, Juan Miguel Cayo, anunciou, no dia 20 de maio, o fim da construção do gasoduto, que começará a operar no dia 9 de agosto. Em resposta, a Frente de Defesa e Desenvolvimento da província da Convenção reiniciou mobilizações contra a obra.

“As empresas e o governo central ignoram, até o momento, as demandas dos camponeses, apesar de existir uma ata de acordo para resolver o impacto ambiental causado pelo gasoduto”, afirmou Abel Cruz, presidente da Frente.

Porém, o gerente-geral da TGP, Alejandro Segret, alegou que “não foi causado nenhum dano ambiental não previsto pelas medidas incluídas no projeto”.

 
 

COLÔMBIA: Eliminadas substâncias que afetam a camada de ozônio

BOGOTÁ.- Duas empresas colombianas com sede na cidade de Barranquilla implementaram tecnologias amigáveis com a camada de ozônio, graças a uma doação de US$ 1,4 milhão do Fundo Multilateral do Protocolo de Montreal.

A Laboratórios Rymco, fabricante de produtos medicinais, adaptou sua fábrica para eliminar o consumo de 11 toneladas anuais de CFC-13, uma substância que afeta a camada de ozônio, que era utilizado como solvente no silicone que recobre seringas e cateteres.

Por sua vez, a Thermo-Coil, que produz peças para ar-condicionado, iniciou a conversão de sua fábrica em julho de 2001, e teve de trocar toda a tecnologia de fabricação para eliminar de forma indireta o uso de 137 toneladas anuais de substâncias que afetam a camada de ozônio.

 
 

HONDURAS: Incentivo à produção limpa

TEGUCIGALPA.- O Conselho Empresarial Hondurenho para o Desenvolvimento Sustentável, com apoio das Nações Unidas, iniciará em julho um programa para promover energias alternativas e manejo sustentável de lixo em zonas industriais da costa norte.

Ao custo de US$ 2 milhões e duração de três anos, o programa tem o objetivo de fomentar no empresariado uma cultura em favor da produção limpa.

“Estamos dispostos a buscar alternativas que permitam reduzir a poluição ambiental”, disse ao Terramérica Jacobo Kattán, da Associação das Empresas de Transformação de Honduras, com sede em San Pedro Sula, a 250 quilômetros de Tegucigalpa.



* Fonte: Inter Press Service.

 


Home Page






 



   












 
Copyright © 2002 Tierramérica. Todos los Derechos Reservados