PNUMA PNUD
Destaques
Edição Impressa
MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO
English Version Versión en Español
Buscar Archivo de ejemplares  
 
  Home Page
  Reportagens
  Análise
  Destaques
  Ecobreves
  Galeria
  Gente de Terramérica
                Grandes
              Nomes
   Entrevistas
  ¿Quem somos?
  Inter Press Service
Principal fonte de informação sobre temas globais de segurança humana
  PNUD
Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento
  PNUMA
Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente


Destaques


O rio Pilcomayo se salva do colapso

Por José Luis Alcázar*

Um plano de manejo a partir de 2008 poderia salvar do colapso a contaminada bacia do rio Pilcomayo, que cobre 270 mil quilômetros quadrados de Argentina, Bolívia e Paraguai

TARIJA, Bolívia.- Um plano de manejo a partir de 2008 poderia salvar do colapso a contaminada bacia do rio Pilcomayo, que cobre 270 mil quilômetros quadrados de Argentina, Bolívia e Paraguai. Este rio nasce nas encostas da cordilheira dos Andes, entre os Estados bolivianos de Oruro e Potosí, percorre rumo ao sul os Estados de Chuquisaca e Tarija, passa pela província argentina de Formosa e desemboca no rio Paraguai, em frente a Assunção. Os governos dos três países sul-americanos, com apoio financeiro da União Européia, formaram uma comissão para elaborar um Plano-Mestre para recuperar a bacia. Os técnicos da comissão determinaram que “durantes os séculos passados tanto características climatológicas quanto a intervenção humana fizeram com que o rio Pilcomayo hoje seja considerado como recurso natural fora do controle do homem”.

Os estudos acontecem desde 2002 e a previsão é que estarão concluídos quando o plano começar a ser executado, em 2008, com o objetivo de recuperar a bacia e promover o desenvolvimento sustentável da região trinacional durante 17 anos, até 2025. A sede da comissão fica em Assunção, a sede do projeto na cidade boliviana de Tarija e a co-direção do mesmo cabe à Argentina e à União Européia. Na bacia habitam aproximadamente 1,5 milhão de pessoas (um milhão na Bolívia, 300 mil na Argentina e 200 mil no Paraguai). “A alta contaminação se detecta principalmente na bacia alta (Bolívia), onde desde a colonização espanhola se explora prata, estanho, zinco, chumbo, arsênico e antimônio”, disse ao Terramérica Jorge O’Connor, diretor-executivo da Comissão Nacional dos Rios Pilcomayo e Bermejo.

Atualmente, 32 engenhos de mineração de Potosí são responsáveis pela contaminação. Em abril último, o governo boliviano fechou os 19 mais prejudiciais. O vazamento de produtos tóxicos da indústria mineira e os sedimentos da erosão produzida na parte boliviana causam impacto e destroem o curso natural do Pilcomayo, que muda com freqüência e diminui notavelmente seu caudal quando chega à parte baixa da bacia, deixando sem água manguezais da Argentina e do Paraguai. Os técnicos consideram extraordinária e fora de controle a produção desses sedimentos: 60 milhões de metros cúbicos por ano que causam variações bruscas nas águas, de três mil ou mais metros cúbicos por segundo até mínimos de três metros cúbicos.

Isso causou o assoreamento e retrocesso do caudal do rio com uma média de 5,7 quilômetros por ano, entre 1935 e 1998, deixando muito perto do colapso os ecossistemas da zona agrícola, pecuária e de piscicultura dos três países e os mangues da bacia baixa na Argentina e no Paraguai. A erosão e a sedimentação, ao mudarem o curso do rio, causam desastrosas inundações e secas, com importantes perdas de colheitas e gado. A contaminação das águas golpeou a indústria da pesca, à qual se dedicam cerca de 350 mil pessoas que anualmente capturam cerca de 800 toneladas de pescado, com “grandes prejuízos econômicos, queda nas já precárias condições de vida dos habitantes e destruição da biodiversidade”, afirmou O’Connor.

Existem cerca de 60 espécies de peixes registradas nas bacias alta e baixa do Pilcomayo, e apenas umas poucas são aproveitadas pelos pescadores como, por exemplo, o sábalo (várias espécies, entre elas Prochilodus platensis, Curimatorbis platanus e Curimata gilberti), o dourado (Salminus maxillosus) e o surubim (Peudoplatystomacoruscans e pseudoplatystoma fasciatum). Ao longo da bacia a diversidade de aves é variável. Em la Puna habitam cerca de 240 espécies, nos vales dos Andes secos foram registradas 520, na floresta tucuman-boliviana 407 e no Chaco 403 espécies. Os anfíbios e répteis ainda não estão quantificados, mas os especialistas consideram que a bacia do Pilcomayo deve ser um dos ecossistemas mais ricos em espécies da herpetofauna. Os mamíferos da bacia superam as 150 espécies, sendo a região andina a que abriga o maior número de endêmicos.

O impacto econômico e social nos três países, do qual se espera conhecer dados preliminares no próximo ano, é complexo e enorme, segundo Marcelo Trigo, diretor do projeto do Pilcomayo. Os técnicos sul-americanos e europeus encarregados dos estudos do Plano-Mestre pretendem de imediato construir represas para regular o rio em cinco pontos da Bolívia, reabilitar estações para medir níveis de água e sedimentos e instalar novas, desenvolver simulações do funcionamento da bacia, bem como estudos de viabilidade de irrigação com a regulação das represas.

Também se prevê recuperação-piloto de terras agrícolas que poderiam se generalizar, salvar mangues na Argentina e no Paraguai e promover uma reserva natural binacional desses países no banhado de Estrella e Tifunque. Nos estudos e trabalhos prévios participa a população dos três países da bacia. Segundo os diretores do projeto, se respeita e incentiva “as pautas culturais de cada um dos grupos que habitam a zona, para que eles sejam os principais protagonistas do plano”.

* O autor é colaborador do Terramérica.



Copyright © 2007 Tierramérica. Todos os Direitos Reservados