PNUMA PNUD
Acentos
Edição Impressa
MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO
English Version Versión en Español
Buscar Archivo de ejemplares  
 
  Home Page
  Reportagens
  Análise
  Destaques
  Ecobreves
  Galeria
  Gente de Terramérica
                Grandes
              Nomes
   Entrevistas
  ¿Quem somos?
  Inter Press Service
Principal fonte de informação sobre temas globais de segurança humana
  PNUD
Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento
  PNUMA
Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente


Grandes Nomes


As guerras pelos recursos naturais


Por Vandana Shiva*

O petróleo, a água e a terra estão no centro de conflitos em todo o mundo.

NOVA DÉLHI, 19 de junho (Terramérica).- Guerras pelo petróleo, guerras pela água, guerras por terras, guerras atmosféricas: este é o verdadeiro rosto da globalização econômica, cujo apetite por recursos naturais supera os limites da sustentabilidade e da Justiça. Onde há petróleo há conflitos. Não importa em que medida a aparência de uma guerra de culturas apareça vinculada às invasões do Afeganistão e Iraque (e a ameaça de uma ação semelhante no Irã), porque a realidade era, e é, que se trata de guerras pelo petróleo.

Também a água está se convertendo em uma fonte de guerras, na medida em que é privatizada, se convertendo em mercadoria. Grandes represas desviam a água dos sistemas naturais de drenagem dos rios. Alterar o fluxo de um rio também modifica a distribuição da água, especialmente se isso implica transferências de água entre várias bacias. Estas mudanças provocam, freqüentemente, disputas entre Estados ou províncias que rapidamente degeneram em conflitos entre governos centrais e nações.

Cada rio da Índia é motivo de importantes e insolúveis problemas a respeito da propriedade da água e sua distribuição. No continente americano, o conflito entre Estados Unidos e México pela água do Rio Colorado se intensificou em anos recentes. As águas dos rios Tigre e Eufrates, que sustentaram a agricultura durante milhares de anos na Turquia, Síria e Iraque, foi a causa de vários importantes choques entre esses países. Os dois rios nascem na Turquia, cuja posição oficial é “A água é tão nossa como o petróleo do Iraque é do Iraque”.

A guerra entre israelenses e palestinos é, em certa medida, uma guerra pela água. O motivo é o Rio Jordão, usado por Israel, Jordânia, Síria, Líbano e Cisjordânia. A agricultura em escala industrial de Israel requer água desse Rio, bem como das águas subterrâneas da Cisjordânia. Embora somente 3% da bacia do Jordão esteja em território israelense, esta área proporciona 60% das necessidades de água de Israel. A guerra de 1967 foi, de fato, uma guerra pela água das Colinas de Golan, do Mar da Galiléia, do Rio Jordão e da Cisjordânia.

Os financiamentos do Banco Mundial e do Banco de Desenvolvimento da Ásia também desencadeiam guerras pela água entre Estados e cidadãos. Por exemplo, quando uma represa foi construída no Rio Banas, no Estado indiano de Rajastan, para desviar água para as cidades de Jaipur e Ajmer, cinco aldeões que faziam um protesto pacífico contra a obra foram mortos a tiros pela polícia, em agosto de 2005. Em lugar de reconhecer que a pisada ecológica da globalização está sufocando terras e povos, a nova elite, desarraigada cultural e intelectualmente, afirma que há excesso de população. E chega-se a falar dos recursos naturais como uma desvantagem comparativa.

Entretanto, é precisamente a liberalização do comércio, que está permitindo às corporações invadir o espaço ecológico das comunidades locais, o que desencadeia conflitos. Para as comunidades locais, os recursos naturais como a terra e a água têm claramente valor. Negar valor às fontes desses recursos é negar direitos fundamentais e os usos prioritários das terras e da água. O problema não são os recursos naturais, mas o livre comércio e a globalização. O problema não são as pessoas, mas a cobiça das corporações empresariais e as associações entre elas e os Estados, a fim de usurpar os recursos do povo e violar seus direitos fundamentais.

Se a globalização é empunhada implacavelmente para se apoderar desses recursos, aumentarão as guerras e a globalização se tornará mais lenta, até deter-se por causa das catástrofes ecológicas e dos conflitos pelos recursos naturais. Se, ao contrário, os movimentos a favor da sustentabilidade ecológica e da justiça social tiverem êxito em resistir aos excessos da globalização, poderemos viver com alegria em nosso planeta e compartilhar eqüitativamente seus recursos vitais.

* A autora é escritora e militante em campanhas pelos direitos da mulher e pelo meio ambiente. Direitos reservados IPS.


Copyright © 2007 Tierramérica. Todos os Direitos Reservados