PNUMA PNUD
Acentos
Edição Impressa
MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO
English Version Versión en Español
Buscar Archivo de ejemplares  
 
  Home Page
  Reportagens
  Análise
  Destaques
  Ecobreves
  Galeria
  Gente de Terramérica
                Grandes
              Nomes
   Entrevistas
  ¿Quem somos?
  Inter Press Service
Principal fonte de informação sobre temas globais de segurança humana
  PNUD
Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento
  PNUMA
Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente


Analisis


Em defesa da despensa da humanidade

Por Jacques Diouf*

O planeta deverá dar de comer a mais 1,5 bilhão de pessoas em 2050. É urgente otimizar a produção de alimentos.

ROMA, 10 de julho (Terramérica).- Acabar com o flagelo da fome é um dos maiores desafios que a humanidade deve enfrentar na entrada do século 21. Com uma população mundial que está prevista chegar aos oito bilhões em 2050, a Terra terá de alimentar mais 1,5 bilhão de pessoas. Isto exige um aumento proporcional da produção alimentar para não piorar a situação. Assim, se faz necessário intensificar e otimizar a produção de alimentos. Entretanto, os recursos naturais sobre os quais se baseia a agricultura são limitados ou estão sendo submetidos a um processo de erosão crescente.

As possibilidades, por exemplo, de incrementar a extensão de terras cultiváveis ou o uso de recursos hídricos já são reduzidas. Uma das chaves para enfrentar o futuro com êxito é a conservação e o uso sustentável dos recursos genéticos vegetais, a matéria-prima que os agricultores e pesquisadores utilizam para melhorar constantemente a qualidade e a produtividade de nossos cultivos. Os recursos genéticos agrícolas permitem à humanidade fazer frente a potenciais desafios naturais e socioeconômicos, como as novas pragas, a mudança climática e a melhora da dieta alimentar.

Ao longo dos últimos cem anos, ocorreu uma enorme perda de diversidade genética. Estima-se que nesse período cerca de três quartos da diversidade genética agrícola se perderam, e esta tendência continua. Atualmente, pouco mais de uma centena de espécies cultivadas constituem a base de nossa alimentação. Para garantir a conservação de um patrimônio de vital importância para a humanidade, a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO) elaborou o Tratado Internacional sobre os Recursos Fitogenéticos, que, sem dúvida, pode ser considerado o primeiro grande acordo internacional do terceiro milênio e uma pedra miliar na cooperação Norte-Sul.

Negociado pelos países-membros sob patrocínio da FAO, entrou em vigor em junho de 2004, ao término de um longo processo iniciado na década de 70. Trata-se de um instrumento juridicamente vinculante, pelo qual cada país que o ratificou deverá elaborar a legislação e os regulamentos que necessite para aplicá-lo em nível nacional. Este tratado é crucial na luta contra a fome e a pobreza e essencial para atingir a erradicação da fome e da pobreza extrema (o primeiro dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio) e garantir a sustentabilidade do meio ambiente (a sétima meta). A FAO calcula que a interdependência média dos países é de 70%: todos dependem da diversidade genética das plantas de outros países e regiões para garantir a segurança alimentar de seus povos.

O tratado oferece um contexto normativo para as políticas nacionais e a cooperação internacional, incluindo a conservação, coleção e avaliação dos recursos fitogenéticos para a alimentação e a agricultura, com a criação de uma rede internacional e um sistema de informação mundial. O acordo reconhece pela primeira vez os direitos dos agricultores como guardiões da diversidade biológica agrícola e estabelece um sistema multilateral, que facilita o acesso aos recursos fitogenéticos para as partes contratantes, ao mesmo tempo em que assegura a distribuição de benefícios em nível multilateral.

A primeira reunião do órgão reitor do tratado aconteceu em junho, na cidade de Madri, com a participação de mais de uma centena de países que o ratificaram. A reunião contou com um grande consenso para tornar o acordo operacional, por exemplo, no tocante à transferência de germoplasma, regulando o acesso aos recursos genéticos de 64 cultivos que constituem 80% dos alimentos que a humanidade consome. Podemos afirmar que no competitivo contexto internacional de hoje o Tratado supõe uma notícia extraordinariamente boa. Em seu desenvolvimento, toda a sociedade deveria se beneficiar de diversas maneiras:

- Os agricultores e suas comunidades, por seus direitos. O Tratado reconhece em nível internacional, pela primeira vez, a enorme contribuição que os agricultores deram e continuam dando à conservação e ao desenvolvimento dos recursos fitogenéticos;

- Os consumidores, devido à maior variedade de alimentos disponíveis, bem como de produtos agrícolas, junto com o aumento da segurança alimentar;

- A comunidade científica, por terem acesso aos recursos fitogenéticos, de importância fundamental para a pesquisa e a melhoria das plantas;

- Os centros internacionais de pesquisa agrícola, a cujas coleções o Tratado oferece uma base jurídica de longo prazo;

- Os setores público e privado, aos quais se assegura o acesso a uma ampla gama de diversidade genética para melhorar o desenvolvimento agrícola; e

- O meio ambiente e as futuras gerações, já que o Tratado ajudará a conservar a diversidade genética necessária para enfrentar as mudanças imprevisíveis do meio ambiente e as necessidades humanas futuras.

Temos o imperativo moral de fazer o acordo funcionar, já que os recursos fitogenéticos constituem uma autêntica “despensa” da humanidade. Um legado acumulado por gerações de agricultores durante milênios, que devemos defender e que é decisivo para a segurança alimentar. Ao fazê-lo, pretendemos alcançar um dos objetivos que figura nas bases da carta de fundação da FAO: erradicar a fome da face da Terra.

* O autor é diretor-geral da FAO. Direitos reservados IPS.




Copyright © 2007 Tierramérica. Todos os Direitos Reservados