PNUMA PNUD
Acentos
Edição Impressa
MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO
English Version Versión en Español
Buscar Archivo de ejemplares  
 
  Home Page
  Reportagens
  Análise
  Destaques
  Ecobreves
  Galeria
  Gente de Terramérica
                Grandes
              Nomes
   Entrevistas
  ¿Quem somos?
  Inter Press Service
Principal fonte de informação sobre temas globais de segurança humana
  PNUD
Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento
  PNUMA
Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente


Destaques


Cem milhões de árvores para a Venezuela

Por Humberto Márquez*

As áreas reflorestadas permitirão recuperar, em cinco anos, uma superfície equivalente a 140 mil hectares de florestas que se perdem atualmente.

CARACAS, 24 de julho (Terramérica).- A Venezuela implementa um programa qüinqüenal de reflorestamento de cabeceiras e cursos de rios tributários do Orenoco, destinado a plantar cem milhões de árvores em 150 mil hectares, com mais de 900 comitês conservacionistas e alunos de uma centena de escolas. “Camponeses que antes desmatavam um terreno para cultivar ou fazer de pastagem para algum gado, agora se enquadram na atividade agroflorestal para obter melhor renda e se reconciliar com a paisagem”, disse ao Terramérica o vice-ministro de Conservação do Ministério de Ambiente, Miguel Rodríguez.

O programa, chamado Missão Árvore, foi apresentado no último domingo de maio, Dia da Árvore na Venezuela, pelo presidente Hugo Chávez, que com um grupo de crianças plantou algumas mudas no Parque Nacional El Ávila, que separa Caracas do Mar do Caribe. Depois, foram colhidas sementes de espécies frutíferas e florestais autóctones, com a participação de 926 comitês conservacionistas – de maioria feminina e camponesa, que apresentaram 495 projetos junto ao Ministério –, e 95 escolas. A Missão Árvore – que para o primeiro ano tem orçamento de US$ 23 milhões – também financia a criação de viveiros.

O Ministério estabeleceu unidades de assistência técnica e controle dos projetos. “De nada serviria entregar o dinheiro (entre US$ 15 mil e US$ 25 mil por projeto) e depois abandonar o projeto, por isso há uma avaliação constante e o dinheiro é entregue ao comitê para verificação do cumprimento das metas”, disse Rodríguez. Os comitês atuam em áreas previamente avaliadas pelo Ministério como necessitadas de recuperação. Embora existam 33 bacias e minibacias envolvidas, o programa centrou-se na zona norte da grande planície formada pela bacia do Orenoco, que inclui mais de um milhão de quilômetros quadrados de terras venezuelanas e colombianas.

Entretanto, já alcançou várias comunidades indígenas e de trabalhadores da mineração que atuam no sudeste. O governo quer levar os que praticam a mineração artesanal ilegal, nas zonas altas dos Rios Caroní e Caura, a outras atividades, embora os 47 viveiros que gerarão 500 mil mudas para 680 hectares sejam ali como uma gota no oceano. Esses viveiros desenvolvem espécies autóctones de madeira cuja exploração comercial está proibida, como a caoba (Swietenia mahagoni), o cedro (Cedrela Adorata), o louro-pardo (Cordia alliodora), o saqui-saqui (Bombacopsis quinata) e o araguaney (Tabeduia chrysantha), árvore nacional.

Porém, o plano está longe de resolver a questão do desmatamento na Venezuela. Rodríguez admitiu que a área que será plantada permitirá recuperar, em cinco anos, uma superfície equivalente à das florestas que se perde atualmente, estimada em 150 mil hectares dos 90 milhões de hectares que o país possui, em sua maior parte no sul e sudeste. Organizações ecologistas não-governamentais discordam dos números oficiais e estimam que o desmatamento esteja entre 240 mil e meio milhão de hectares por ano nas últimas décadas.

Segundo o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), a Venezuela tem 56,9 milhões de hectares, quase 60% de seu território, sob algum regime de proteção ambiental, incluindo 11,3 milhões de hectares de reservas florestais. Segundo a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), a cobertura vegetal do país passou de 62%, em 1977, para 54%, em 1995, significando um desmatamento de 400 mil hectares por ano nesse período. Rodríguez acredita que a tendência atual é muito menor. A ministra do Ambiente, Jacqueline Farias, propôs um censo florestal.

O biólogo Diego Díaz, presidente da organização ambientalista Vitalis, recordou ao Terramérica que a FAO e o Pnud se alimentam de estatísticas governamentais “e o desmatamento deve ser maior do que se admite oficialmente, porque continua a expansão das fronteiras urbana e agrícola, além da depredação associada à mineração e à exploração de madeira ilegal”. O reflorestamento “é bem-vindo, embora não se tenha informação sobre se esta missão está combinada com adequados planos de ocupação do território e respeito pela vocação dos solos. É vital a participação da comunidade. Experiências em outros países dão conta de uma atitude perversa, com indivíduos que danificam uma área para depois obter recursos com os quais reflorestá-las”, disse Díaz.

O especialista destacou que “reflorestar não é apenas recuperar árvores, mas todos os estratos da floresta, incluindo o que não é árvore”, e deu como exemplo a atividade empreendida pela Vitalis com a privada Universidade Metropolitana para criar um viveiro de plantas autóctones no Parque El Ávila. A planta escolhida é a nogueira de Caracas (Juglans venezuelensis), espécie nativa da região que estava quase extinta. Para Rodríguez também é importante “o sentido de pertinência recuperado pelas comunidades camponesas que fazem o que muitos sempre quiseram fazer: recuperar a terra onde vive”.

* O autor é correspondente da IPS.




Copyright © 2007 Tierramérica. Todos os Direitos Reservados

Enlaces Externos

Ministério do Ambiente

Vitalis

Tierramérica no se responsabiliza por el contenido de los enlaces externos